Plantas

Abrace a primavera com flores!

Os dias frios do inverno despedem-se e a primavera invade os nossos jardins. Chegam as novas flores, com novos aromas e cores. Tudo recomeça…Em cada primavera, abre-se o capítulo de uma nova história! Este mês, abraçamos a primavera com as túlipas, a dafne, a glicínia e a peónia.

Tulipa sp. (tulipa)

Herbácea bolbosa originária da Ásia Central. Do género Tulipa existem diversas espécies e cultivares com flores de diversas cores, tais como: amarela, cor-de-rosa, cor de laranja, branca, encarnada, entre outras. A sua época de floração é no inverno e na primavera.

Família: Liliácea

Altura: 20 a 30 cm.

Propagação: Bolbo.

Época de plantação: Outono.

Condições de cultivo: Prefere situações de sol e/ou meia-sombra, mas não tolera muito calor. Adapta-se a qualquer tipo de solo. Os bolbos devem estar dispostos de forma a que não se toquem. Quando se encontra em flor, não deve ser fertilizada.

Manutenção: Quando terminar a floração, as flores e as folhas secas devem ser cortadas. Os bolbos devem ser removidos e guardados em local seco e fresco para serem plantados no outono seguinte.

Curiosidades: É uma planta originária da Ásia Central que foi introduzida no Império Otomano (atual Turquia) na Idade Média. No século XVI, através do botânico e naturalista flamengo Carolus Clusius, 1526– 1609, chegou aos Países Baixos. A paixão excessiva pelas túlipas levou à tulipomania no século XVII, em que os bolbos de túlipa chegaram a valer mais que o ouro! A Holanda é conhecida como um dos maiores países produtores de flores.

Há mercados nas principais cidades, onde as túlipas abundam, juntamente com o crocos, o jacinto, a peónia e outras flores. Justifica-se a visita a um dos muitos e antigos mercados de flores existentes. Por exemplo, o mercado flutuante em Amsterdão ainda hoje é realizado em barcaças no canal. Este costume vem da época em que as flores eram trazidas para a cidade pelos canais. O Jardim de Keukenhof, também conhecido como o Jardim da Europa, comemora o início da primavera com os seus 32 hectares floridos com cerca de sete milhões de bolbos de espécies de túlipas, de narcisos e jacintos.

Wisteria sinensis (Sims) Sweet (glicínia)

As glicínias, com as suas “cascatas” de flores lilases, invadem os jardins com a sua beleza e aroma. É um arbusto trepador de folha caduca e crescimento lento, originário da China. As suas flores odoríferas de cor lilás dispõem-se em cachos pendente (de 30 cm), que surgem antes da rebentação da folha. As suas folhas são alternas, compostas, de cor verde-escura. Os seus frutos são vagens pendentes de textura aveludada.

Família: Fabaceae

Altura: Até 4 metros.

Propagação: Estaca.

Época de plantação: Primavera e outono.

Condições de cultivo: Prefere sol ou meia-sombra e tolera situações de calor e frio. Tolera qualquer tipo de solo.

Manutenção e curiosidades: Devem ser podadas duas vezes por ano: no verão, para controlar o seu crescimento, e, no inverno, para estimular a floração (atenção: não cortar os gomos florais). As glicínias de cachos brancos – Wisteria alba – são originárias do Japão. Ambas as espécies são utilizadas em pérgulas e treliças em zonas de estadia.

Daphne sp. (dafne)

O género Daphne abarca cerca de 90 espécies, que podem ser de folha caduca ou perene e de porte variável. As folhas simples, de textura coriácea, apresentam tonalidade escura. Nativas da Europa, Ásia e Norte de África, sobressaem pelo magnífico aroma das flores. A floração ocorre no fim do inverno/início da primavera e pode ser branca, amarela, rosa e roxo-avermelhado. As flores possuem quatro pétalas pontiagudas de textura carnuda.

Família: Thymelaeaceae

Altura: Varia conforme a espécie, e pode ir dos 0,15 aos 4 metros.

Propagação: Por semente ou estaca.

Época de plantação: Podem ser plantadas todo o ano exceto de maio a agosto.

Condições de cultivo: Pleno sol ou meia-sombra, solos moderadamente férteis, com boa drenagem, no entanto, deve evitar-se a secura do solo.

Manutenção e curiosidades: Todos os anos, deve ter-se o cuidado de cobrir a base com matéria orgânica, o que ajuda a manter as raízes frescas e húmidas. Podar apenas se necessário (no fim do inverno/início da primavera).

Atenção: Todas as partes da planta são venenosas e a sua seiva pode causar irritações na pele.

Paeonia sp. (peónia)

Embora o género possua algumas espécies arbustivas e subarbustivas, a maioria das espécies são herbáceas perenes. É nativa da Europa, China, Japão ou América do Norte. Floração branca, amarela, rosa, coral, etc. As flores são perfumadas e de grande dimensão (de 10 a 25 cm), simples ou dobradas (possuem pelo menos duas camadas de pétalas).

Família: Paeoniaceae

Altura: Depende da espécie de 0,45 a 5 metros.

Propagação: Por semente ou divisão de tufo.

Época de plantação: Qualquer altura do ano, exceto nos meses de verão.

Condições de cultivo: Prefere total exposição solar e solos fundos, férteis, de origem basáltica, fertilizados anualmente com matéria orgânica. É resistente à geada.

Manutenção e curiosidades: São de crescimento lento e de fácil manutenção, não requerendo cuidados especiais. São pouco suscetíveis a doenças. O nome do género, Paeonia, deriva do nome Paeon, médico dos deuses na mitologia grega. Segundo a antiga lenda, Hades, após ter sido ferido por Hércules, foi tratado por Paeon, com uma decocção de sementes de peónia.

Atenção: As flores e as sementes são tóxicas.

Fotos: Thinkstock

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Com Ana Luísa Soares

Poderá Também Gostar