Pragas e Doenças

Altica da videira

Saiba quais são as principais características desta praga e como combatê-la.

Praga

Altica ou Altiva da videira (Halticalythri Aubé var. ampelophaga Guerin.)

Características

Pequeno coleóptero que mede entre 4 a 5 mm de comprimento, cor verde-azulado metálico, forma oval, voa e pode dar pequenos saltos. A larva mede cerca de 7 mm e tem cor escura.

Ciclo biológico

Inverna no estado adulto debaixo de folhas secas ou no córtex dos ramos mais velhos. No principio da primavera (temperaturas superiores a 15-16ºC), emigram para os rebentos tenros da Videira. Aí, as fêmeas colocam os ovos na parte inferior da folha (500 por fêmea). Ao nascerem, as larvas alimentam-se das folhas, até terminarem o seu crescimento. Depois, descem ao solo e enterram-se a 5 cm para evoluírem para o estado de Ninfa. Cada geração dura entre 40 a 60 dias, podendo ter três por ano.

Plantas mais sensíveis

Videira

Danos

Os adultos perfuram o limbo da folha, provocando depressões mais ou menos extensas. As larvas devoram a epiderme da folha na parte inferior, deixando-a com o aspecto de “rendilhado”.

Combate biológico

Prevenção/aspectos Agronómicos

Os tratamentos devem fazer-se no estado fonológico D-E quando as larvas ainda estão na primeira geração; Deve eliminar a vegetação espontânea; regar por aspersão nos dias quentes.

Luta química biológica

Pulverizar com píretro natural e neem.

Luta biológica

Temos os seguintes auxiliares que podem ser parasitoides: Deegeria funebris, D lactuoca e Prilitus brevicollis. Predadores: Zicrona coerulae. Uma aplicação de BT (Bacillus Thuringiensis) na fase inicial da larva tem um eficácia aceitável.

Foto: Pedro Rau

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar