Hortícolas e Frutícolas

Citrinos: alegria do inverno

No nosso país, os citrinos constituem um dos géneros de frutas que temos o prazer de colher no inverno, alegrando uma estação que tradicionalmente é mais pobre em colheitas.

Os citrinos são árvores do género citrus, que apreciam bastante sol e calor, são por isso bastante comuns no sul do país, especialmente no Algarve. Além disto, não suportam temperaturas muito baixas que destroem os novos rebentos, as flores e os frutos jovens, sendo que, se o solo gelar, pode mesmo matar a árvore.

Para efetuar o plantio, devemos escolher árvores saudáveis, à venda em viveiros ou feiras, de preferência com torrão. A melhor época para o plantio é no fim do Inverno, nos meses de março e abril, cavando uma cova com alguma profundidade (entre 80cm a 1 metro), para mexer bem o solo onde a árvore vai enraizar-se. Misturamos o solo com estrume bem curtido, plantando depois o citrino, tendo o cuidado de colocar uma estaca forte para amparo da árvore. Mais tarde teremos necessidade de cavar uma boa caldeira ao redor da árvore, que deveremos manter limpa de ervas daninhas, pois nos meses quentes os citrinos apreciam muita água e as regas têm de ser frequentes. É possível cultivar os citrinos no interior do país, em localizações soalheiras, abrigadas e viradas a Sul.

Laranjal

Os citrinos são árvores de folha perene, as podas são no geral limitadas e usadas para dar às árvores a forma arredondada, que se vê muitas vezes nos citrinos. Os citrinos são vulneráveis a certas doenças e pragas, como as cochonilhas, os ácaros dos gomos, a mosca-da-fruta, os pulgões, o aranhiço-vermelho, a antracnose ou a podridão da raíz. A prevenção é muito importante!

Citrinos mais cultivados em Portugal

Laranja (Citrus x sinensis)

Foi trazida da China para a Europa pelos portugueses no século XVI. Já era conhecida anteriormente na Europa a laranja-azeda (Citrus aurantium). A laranja é o produto do cruzamento entre dois citrinos, a tangerina (Citrus reticulata) e o pomelo (Citrus maxima), o maior citrino que se conhece, e é famosa pelos seus gomos firmes, sabor doce e marcante e por ser muito rica em vitamina C, A, B1, B2 e B3, minerais e ser baixa em calorias.

As variedades mais comuns no nosso país são a “D. João”, a “De Setúbal” e todas as laranjas de “umbigo” como a “Bahia”, “Dalmau” ou “Newhall”. Estas laranjas são grandes, de bom sabor e sem sementes. São de destacar também as laranjas chamadas sanguíneas, laranjas de polpa vermelha, muito ricas em anti-oxidantes, que são o resultado de uma mutação natural numa laranjeira. As laranjas sanguíneas são muito doces e saborosas e cultivadas principalmente no Sul de Espanha e no Sul de Itália. As variedades mais comuns são a “Moro”, a “Tarocco” e a “Sanguinella”. Vale a pena adquirir uma laranjeira destas, se encontrarem à venda, pelo seu sabor diferente e riqueza em nutrientes.

Tangerina

Chegou a Portugal a partir do Norte de África, o seu nome vem de Tânger, cidade de Marrocos muito tempo em posse dos portugueses, embora seja nativa da Ásia. Árvore geralmente mais pequena do que a laranjeira, possui espinhos nos ramos e o seu fruto, com casca relativamente fácil de retirar, é tal como a laranja muito rico em vitamina C, mas também em magnésio e potássio. São muito apreciadas em Portugal as variedades “Hernandina”, “Fortuna”, e as conhecidas como clementinas.

Limoeiro em flor

Limão (Citrus x limon)

É outro citrino bem conhecido e com signifi cativa produção em Portugal, sobretudo no Oeste. Tal como a laranja é um híbrido de citrinos, e a sua origem exacta é desconhecida, embora seja antiga. Supostamente será um híbrido entre a laranja-azeda e a cidra (Citrus medica), introduzido na Europa pelos árabes. O limão é riquíssimo em nutrientes e em propriedades médicas, sejam minerais, vitaminas ou fibras. Podemos consumi-lo sob a forma de limonada, ou em diversos pratos culinários. Além disto o limão tem muitas aplicações na indústria farmacêutica, como agente de limpeza e noutras indústrias. O limoeiro é um dos citrinos que mais sofre com o frio, pelo que é mais comum no litoral do país, sendo mais cultivadas as variedades “Eureka”, “Lunário” e “Lisboa”.

Pomelo e toranja

Podemos referir ainda dois outros citrinos: o pomelo, como vimos o maior dos citrinos, atinge entre um a dois quilogramas, um tamanho semelhante ao de uma meloa grande. De casca sempre verde ou amarela, o pomelo, apresenta gomos com uma pele rija, saborosos, mas menos doces do que os da laranja, pois tem por vezes um certo sabor amargo. Em Portugal o pomelo amadurece entre fevereiro e março, deve evitar-se plantar em zonas muito frias ou com geadas prolongadas.

O outro é a toranja (Citrus x paradisica), citrino de tamanho superior ao da laranja, resultado de um cruzamento entre a laranja e o pomelo. A toranja é no geral muito sumarenta, mas poucas vezes consumida ao natural, não tanto porque seja ácida, mas porque tem muitas vezes um sabor amargo. A toranja convertida em sumo é muito consumida nos países anglo-saxónicos ao pequeno-almoço, para compensar as gorduras animais ingeridas. A sua polpa varia entre o branco, o rosa e o vermelho.

Fotos: Thinkstock e Unsplash

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram

Poderá Também Gostar