Aromáticas e Medicinais

Conheça a Hortelã-Vietnamita

Hortelã-vietnamita

B.I.

Nomes Comuns: Persicária, Persicaria-Odorifera, elo-de-alomão, coentro-vietnamita, menta-de-Camboja, hortelã-vietnamita, menta-picante, daun kesom, folha de laksa, Rau Ram.

Nome cientifico: Persicaria odorata [Lour.] Soják (Polygonum odoratum), o termo persicaria deriva do nome “Prunus persiga” (pessegueiro), devido ás folhas de ambas as espécies serem muito parecidas.

Origem: Ásia (Indochina)

Família: Polygonacee

Características: Planta herbácea, vivaz, rasteira (30-100 cm), podendo atingir cerca de 45 cm de altura, folhas lancetadas (5-10 cm de comprimento) de cor verde escura com uma risca castanha em forma de V junto à base. Os caules são compostos por secções unidas em “nós. As flores são vermelhas ou cor-de-rosa escuro.

Floração/fecundação: Floração em julho-setembro, fora do ambiente tropical, não floresce.

Factos históricos/curiosidades: Os imigrantes vietnamitas levaram-no para França em 1950, espalhando-se depois pelo resto da Europa. Só chegou aos EUA na década de 70, sendo uma erva muito usada. Os Monges Budistas, cultivam esta erva nos seus quintais, pois acreditam que tem características que reduzem o “apetite sexual”, ajudando-os no seu celibato.

Ciclo biológico: Perene

Variedades mais cultivadas: Existem 150 espécies “Persicaria”, mas apenas algumas têm uso culinário e medicinal, como a “P. bistorta”, “P. aviculare”,”P.hydropiper”, “P.odorata”

Parte Utilizada: Folhas frescas e mais tenras (jovens) e rizoma.

Condições Ambientais

Solo: Frescos areno-argilosos, húmidos, francos e limosos com boa quantidade de matéria orgânica. Devem ser profundos, ligeiramente húmidos, permeáveis e com pH entre 6-7,0.

Zona Climática: Temperada, Temperadafria e Subtropical.

Temperaturas ótimas: 18-24ºC

Temperatura crítica mínima: 7ºC

Temperatura crítica máxima: 32ºC

Zero da vegetação: -2ºC

Exposição Solar: Sombra parcial

Altitude: 200-2200 m

Humidade relativa: Média a alta

Precipitação: Deve ser regular

Fertilização

Adubação: Com composto rico em estrume de vaca e ovelha. Pode ser regado com chorume de vaca bem diluído.

Adubo Verde: Azevém, luzerna e favarola

Exigências nutritivas: 1:1:3 ( de azoto de fósforo: de potássio) + cálcio

Técnicas de Cultivo

Preparação do solo: Limpa-se os solo de pedras e restos de culturas. Lavrar o solo superficialmente (15 cm) e escarificar, para ficar bem esmiuçado e nivelado.

Data de plantação/sementeira: Outono

Tipo de plantação/sementeira: Vegetativa por, divisão de caules (primavera-verão), enraízam com muita facilidade. Colocar os caules em água para criar raízes. Ou semear no outono.

Profundidade: 5-7 cm se for por estaca.

Compasso: 30-50 na fila e 50 cm entre as filas.

Transplantação: Outono

Consociações: Pouco cultivada em Portugal, não são conhecidas consociações.

Amanhos: Mondas, controlar a planta para não se tornar evasiva (corte as folhas velhas), sachas, colocar composto e regar bem no verão (para a planta rebentar de novo no outono).

Regas: Por aspersão sempre que o solo esteja seco.

Entomologia e patologia vegetal

Pragas: Mosca branca, e nematodes.

Doenças: Verticillium, ferrugem e antracnose.

Acidentes: Não tolera a falta de humidade.

Colheita e utilização

Quando colher: Setembro-maio, sempre que quiser retirar folhas. Um pouco antes da floração (para a obtenção de óleo essencial). Para as folhas podem ser feitos três cortes anuais.

Produção: Cada planta produz 10-16 tm/ ha/ano

Condições de armazenamento: Durante 4 a 5 dias no frigorífico.

Valor Nutricional: O óleo essencial com do decanal, decanal (aroma a limão), e outros constituintes. Rico em aminoácidos e proteínas.

Usos: O aroma é parecido com os coentros, sabor cítrico, quente, cortante e apimentado que permanece na boca. Utilizado em pratos de peixe, ovos de pato, marisco e carne de porco. Também utilizado em sopas com massinhas vietnamitas. A nível terapêutico, tem propriedades, adstringentes, digestivas, intestinais e pode ser utilizado apara ulceras e inflamações na boca. Também é conhecida por ter efeitos antiafrodisíacos.

Conselho técnico: Gosta de zonas húmidas e nestas condições pode tornar-se invasora. Não necessita de grandes cuidados e no caso esporádico de produzir frutos, cuidado! Eles são venenosos. Esta planta é muito parecida com uma espécie invasora (Polygonum persicaria), que só se distingue pelo cheiro e pelo “V” nas folhas.

Fotos: Thinkstock 

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram

Poderá Também Gostar