Hortícolas e Frutícolas

Outono, tempo de uvas

O início do outono é tempo de uvas. A uva-europeia (Vitis vinifera) é um dos frutos mais apreciados e difundidos em todo o mundo e um dos que o homem cultiva há mais tempo.

Origem

A sua origem está na Ásia Central ou na bacia do Mediterrâneo. A videira é uma trepadeira lenhosa, cujos frutos, além de muito apreciados à mesa, são usados há milhares de anos para fazer vinho. O seu cultivo terá sido iniciado no Médio Oriente há milénios e agora está espalhada por muitas zonas de clima temperado, mas especialmente na bacia do Mediterrâneo, onde constitui um traço típico da paisagem. Outras espécies de uvas que são cultivadas raramente no nosso País são a uva-americana (Vitis labrusca) e a uva-muscadina (Vitis rotundifolia). Se a primeira também é, por vezes, utilizada para a produção de vinho, a segunda é geralmente consumida ao natural e em sumos, prestando-se para o cultivo em zonas subtropicais e tropicais.

Cultivo e colheita

A videira está bem adaptada ao clima português; as uvas e o vinho têm acompanhado o nosso povo desde tempos remotos. A época da vindima é determinada pelas condições climatéricas e pelo estado de maturação das uvas, sendo ideal que não chova, pois a chuva poderá afetar a qualidade das uvas. Para um quintal, duas ou três videiras serão suficientes e deverá escolher variedades apropriadas para consumo à mesa. Para vinho, existem várias castas nacionais de sucesso como a Trincadeira, a Touriga Nacional ou a Alvarinho e, para a mesa destacam-se variedades como D. Maria, Cardinal e Vitória.

Manutenção

Ter uma vinha em bom estado é muito trabalhoso. Em primeiro lugar, há que proceder à condução das videiras, bem como à poda e à empa.

A empa prepara a videira para a frutificação e executa-se ao mesmo tempo que a poda. As varas da videira dobram-se e amarram-se a tutores vivos ou mortos. Desta forma, a videira mantém-se ereta e permite que a seiva seja distribuída por todas as partes da planta. Sem a empa, os gomos das pontas receberiam a maior parte da seiva, enquanto os da base ficariam sem “alimento”, impossibilitando o seu correto desenvolvimento.

Durante a fase de crescimento vegetativo, a videira necessita de rega, embora, em muitas zonas de Portugal, não se proceda à rega das vinhas, exceto em períodos de calor anormal, uma vez que a rega pode afetar a qualidade das uvas. Atualmente, muitas vinhas estão equipadas com rega gota a gota, que permite poupar água e controlar melhor as quantidades distribuídas. Também são de destacar operações como a desponta, a desfolha e a monda dos cachos. Num quintal com poucas videiras, estas operações serão de fácil realização.

Ficha técnica da uva (Vitis vinifera)

Origem: Ásia Central ou bacia do Mediterrâneo.

Altura: Podada e conduzida, alcança geralmente não mais de dois metros, geralmente menos, embora possa crescer mais.

Propagação: Por enxertia, em cavalo de origem americana, por causa da filoxera.

Plantio: Entre janeiro e março, durante a dormência da planta.

Solo: Solos com boa drenagem, ricos em matéria orgânica e onde a videira possa desenvolver as extensas raízes.

Clima: Plantas com rusticidade em Portugal, que aguentam bem verões secos.

Exposição: Zonas de pleno sol.

Colheita: Geralmente no outono.

Manutenção: Capinagem, podas, aplicação de fertilizantes e tratamentos fitossanitários.

Fotos: Thinkstock

Gostou deste artigo? Siga a Jardins no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar