Aromáticas e Medicinais

Trate a bronquite com miosótis

Conta uma lenda persa que um anjo expulso do Paraíso por estar apaixonado por uma mortal teve como penitência a tarefa de semear o encantador “não-me-esqueças” em todo o Mundo. Cumprida a penitência, regressou com a companheira coroada com as mesmas flores que haviam espalhado pela Terra, e junto dela, tornada por sua vez imortal, reencontrou a paz eterna no Paraíso.

A miosótis (Myosotis) ou “não-me-esqueças” é, em muitos países, um símbolo do amor e da lembrança e é oferecido entre amantes para que sejam sempre recordados. Em alguns países do Norte da Europa plantava-se miosótis nas campas ou oferecia-se entre amigos no dia 29 de fevereiro dos anos bissextos. O seu nome deriva do Grego mus que significa (ratinho) e otos (orelha).

Descrição

Os miosótis não são das plantas mais utilizadas em fototerapia, diria mesmo que é uma delicada e esquecida planta. Pelo menos no nosso país, ainda se pode encontrar espontânea nalguns locais do Norte e Centro em bosques sombrios e terrenos húmidos ou alagados, até 2000 metros de altitude. Pessoalmente, já a encontrei várias vezes na Serra de Sintra. É, no entanto, comum em toda a Europa, existindo várias espécies como por exemplo M. arvensis, M. azorica, M. sylvatica, M. alpestris, M. australis, M. scorpioides, etc.

Existem cerca de 90 espécies do género Myosotis, as flores das M. sylvatica mudam de cor de rosa para azul, a M. azorica é um endemismo protegido na ilha das Flores e do Corvo, onde se calcula existirem cerca de 200 indivíduos que crescem em escarpas húmidas e crateras entre 400 a 600 metros de altitude. Pode ser apreciada ainda no Jardim Botânico do Faial, apesar de nesta ilha já não existir em estado selvagem.

Pertence à família das Borragináceas, é vivaz, de caule anguloso e muito folhoso; folhas tenras, oblongas, lanceoladas com pelos duros, flores de um bonito azul celeste (maio-agosto), agrupadas em espigas terminais espiraladas, as suas folhas e flores são comestíveis.

Propriedades medicinais

A sua aplicação principal é como calmante do aparelho respiratório, sendo muito útil no combate a tosses secas e irritantes, tem uma acção suavizante, adstringente e expetorante. É um remédio antigo usado para tratar vários problemas dos brônquios incluindo tuberculose. Pode ainda ser utilizada para tratar conjuntivites, astenia e problemas de ouvidos, é anti-inflamatório e ligeiramente sedativo.

Composição

Estão a ser feitos estudos sobre as folhas de miosótis que são ricas em sais de potássio e provavelmente também em ácidos gordos ómegas três, tal como a borragem (Borago officinalis) e a consolda (Symphytum officinalis) pertencentes à mesma família e muito ricas nesses componentes.

No jardim

As miosótis propagam-se bem a partir de semente, preferem solos ácidos e húmidos, meia sombra, algumas variedades poderão fazer bonitas coberturas de solo nas zonas sombrias do jardim.

Fotos: Pixabay

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram

Poderá Também Gostar