Jardins

Tudo sobre jardins verticais

Saber combinar as plantas no jardim é uma arte e uma técnica que pode trazer uma enorme carga de satisfação. Não há dúvida de que conhecer as técnicas deste ramo de atividade a manter-se sempre informado sobre novos produtos e é indispensável para o sucesso de empreendedores da área. Particularmente, isso é muito verdadeiro para os jardins verticais, uma modalidade de jardim que tem conquistado espaço, de forma crescente, no paisagismo internacional. Esta técnica foi criada para amenizar a falta de áreas verdes nos centros urbanos, particularmente em edifícios e apartamentos, com o objetivo de modificar a paisagem de locais com espaços horizontais pequenos.

Aplicações dos jardins verticais

Pode afirmar-se que as aplicações principais dos jardins verticais são, principalmente, nas paredes internas e em muros externos de ambientes variados. Destinam-se, aos pequenos espaços tipicamente encontrados em edifícios, casas, apartamentos, ambientes públicos e empresariais, fachadas de prédios, entre outros ambientes. Nesse contexto, os jardins verticais foram surgindo, inicialmente, com formas mais simples, até atingirem formatos variados, utilizando diferentes materiais na sua construção e abrigando diferentes espécies.

Um exemplo de grande valor é a fachada externa verde, uma iniciativa que vem sendo usada para revitalizar edifícios. Mas vale ressaltar outros efeitos no ambiente que os jardins verticais oferecem. Um jardim vertical pode, por exemplo, ajudar no combate ao aquecimento urbano, já que a superfície recoberta com plantas tem ação como isolante térmico. Pode, também, tornar os ambientes mais saudáveis, pois as paredes verdes podem purificar e limpar o ar, ao reterem compostos orgânicos voláteis, partículas diversas que estão em suspensão no ar nomeadamente  fumo de cigarro. Sem contar que, no processo de evapotranspiração, as plantas reduzem o calor à sua volta, colaborando para manter o conforto térmico.

Os jardins como fator de vida

Na verdade, seja ele vertical ou convencional (horizontal), ter contato com um jardim significa convívio, tendo uma necessidade satisfeita, o que pode ocorrer em maior ou menor intensidade, quando plantas e jardins planeados passam a fazer parte da vida das pessoas, no contexto cultural e económico de cada um.

Com um detalhe adicional: quem tem um jardim, sabe que é possível ter a natureza próxima de si sob controlo, ou seja, o jardineiro vai estabelecer os seus próprios limites, criar as combinações de plantas que mais satisfaçam, podendo apreciar o que mais gosta na natureza,na sua própria casa ou ambiente de trabalho, todas as vezes que sentir necessidade desse contato.

O conceito de jardim vertical

Partimos do conceito de que um jardim vertical tem como proposta inicial fazer com que o pouco espaço disponível não possa mais ser usado como desculpa para não se ter um jardim em qualquer ambiente que seja.

Isso porque, se faltam metros quadrados de área, nos jardins verticais, sobram possibilidades de fazer com que as plantas subam pelas paredes, mesmo não sendo espécies com hábito de crescimento das trepadeiras. Tanto que a ideia que deu origem aos jardins verticais buscava oferecer alternativas decorativas para varandas de apartamentos e para pilares de entrada de empresas. Nos tempos atuais, a proposta desses jardins superou as alternativas iniciais. Os projetos são elaborados, tendo em vista as mais variadas situações.

Vantagens oferecidas pelos jardins verticais

  • Aumento do conforto térmico e isolamento acústico de ambientes internos;
  • Redução da temperatura, inclusive, do ambiente externo, especialmente nas proximidades dos painéis vegetais;
  • A sua montagem e manutenção são viáveis técnica e economicamente;
  • Reduzem a amplitude térmica de paredes e muros, o que contribui para maior durabilidade das edificações;
  • Aumento da biodiversidade, porque se tornam habitat de outros seres vivos,
  • Contribuem para a diminuição da emissão de carbono, gás responsável pelo aumento do efeito estufa e das mudanças climáticas.

Ambiente de selva urbana

A versatilidade dos jardins verticais

Tem a ver com a possibilidade de se criarem microclimas, tornando os ambientes mais harmónicos e vivos. Isso porque um jardim é um lugar dinâmico, vivo e vibrante, onde os elementos vegetais que o compõem, por estarem vivos, modificam-se com o passar do tempo, com as alterações periódicas, com os ciclos vegetativos e reprodutivos das plantas, que crescem, produzem flores e, depois, frutos.

Com o elevado grau de urbanização criado pela vida em sociedade, cada vez há mais áreas pavimentadas e edificações que ocupam  o que antes eram áreas livres, é forte a tendência de degradação da qualidade de vida. Isso acontece por uma serie de efeitos adversos que esses fatores exercem sobre o bem-estar do ser humano: aumento da temperatura ambiente decorrente do incremento constante das áreas pavimentadas, não apenas nas ruas e passeios, mas, também, nas áreas externas das casas, nas quais o uso de pedras e pisos revestidos é cada vez maior.

Plantas de baixa manutenção

Jardins verticais em casas e apartamentos

A necessidade de viver mais próximo do trabalho, fez com que os grandes edifícios de apartamentos se multiplicassem por toda a parte. Morar mais perto tem um custo: os apartamentos tornaram-se menores, o que leva os moradores a procurarem formas  de conseguir um espaço verde, muitas vezes impossível , até que o conceito de jardim vertical se difundiu.

Nas cidades grandes, as moradias também sofrem por falta de espaço. Muitas vezes têm quintal ou jardim do tipo convencional, mas, geralmente muito pequeno. Muitas vezes, sobra um canto ou uma parede que poderiam ser mais agradáveis, se fossem cobertos com plantas, melhorando a qualidade do ambiente. Até mesmo na cozinha, será possível converter o conceito de jardim vertical em horta vertical, com a instalação de uma estrutura na qual se possam cultivar plantas, medicinais e aromáticas.

Efeito cénico de uma parede verde

Ambiente empresarial/institucional

Nestes ambientes percebe-se também, que os jardins verticais têm sido cada vez mais adotados. O maior motivo é que trabalhar num ambiente que seja bonito e agradável é fator motivador, fundamental para que os colaboradores tenham mais energia, iniciativa e boas ideias. O ambiente empresarial/institucional que incorpora elementos da natureza, plantas e flores, consegue reduzir o cansaço mental dos trabalhadores. O convívio com a natureza no trabalho ajuda a restaurar a mente, a reduzir o stress, aumentando a produtividade e melhorando a atenção e o foco. Nos Estados Unidos, diversas pesquisas mostraram que empregados de diversas empresas têm reportado, de forma entusiasmada, que a presença de plantas torna o ambiente de trabalho mais agradável e saudável.

Os empresários perceberam que esse ambiente, influenciado positivamente pela presença de plantas, reduz a ocorrência de doenças entre os seus funcionários e diminui o número de faltas. No mesmo país, estudos feitos no ambiente escolar mostraram que os estudantes que tinham contato visual com áreas verdes na escola, enquanto tinham aula ou faziam estudos autónomos, tinham notas mais altas em testes de capacidade de atenção.

Vasos pendurados

Os jardins verticais em espaços públicos

Embora a primeira ideia de jardim vertical esteja relacionada com ambientes como apartamentos e escritórios, caracterizados pelo pouco espaço horizontal disponível, o conceito de jardim vertical permite que, com a verticalidade, seja possível o surgimento de uma nova dimensão ao paisagismo. Segunda essa nova dimensão, os jardins não têm, necessariamente, de buscar somente a ampliação do uso de uma área interna.

A verticalidade das estruturas ultrapassa essa utilidade, permitindo que os espaços externos também possam compor o rol de ambientes para sua instalação. Isso ocorre de tal maneira que esse conceito inovador para o paisagismo ocupe não apenas as paredes de apartamentos e das receções de empresas, mas também estruturas verticais dos tipos mais variados. Têm surgido cada vez mais propostas de jardins verticais para o ambiente exterior, montados em áreas públicas.

Os jardins verticais e urbanismo

Os jardins verticais representam mais que um fator estético, podem proporcionar benefícios ambientais e climáticos aos ambientes onde são implementados. Em função das características dessas estruturas, é possível inferir que, quanto maior a superfície coberta, maiores podem ser os benefícios que proporcionam.

O crescimento das cidades levou ao aumento das superfícies concertadas e impermeabilizadas, que contribuem para alterar os gradientes de temperatura, alterar os microclimas com o aumento da temperatura e causar, ainda, a redução da biodiversidade urbana. Outra característica típica dos aglomerados urbanos é o uso significativo de energia, tanto para o aquecimento como para a refrigeração, dependendo da época do ano. A redução dos preços de aquecedores e aparelhos de ar condicionado levou a um forte incremento no seu uso.

Todos esses problemas ambientais do meio urbano podem ser minimizados com o uso dos jardins verticais. Paredes revestidas com plantas contribuem para a redução das temperaturas máximas e mínimas, melhorando o microclima e diminuindo a necessidade de gasto energético para refrigeração e/ou aquecimento.

Nas proximidades das paredes verdes, a temperatura é mais baixa, a humidade varia menos e o ambiente torna-se propício para o ressurgimento da fauna, sejam pássaros, sejam insetos, que servem de alimento para esses pássaros, e outros pequenos animais.

O aumento das superfícies ocupadas por plantas contribui para a redução do carbono na atmosfera, já que, enquanto crescem, as plantas fixam nos seus tecidos o carbono sequestrado do ar.

Jardins verticais: da sofisticação ao artesanal

Variadas ideias podem ser aplicadas na elaboração de um projeto e na implementação de jardins verticais, sendo que em todas elas devem ser consideradas especificidades referentes ao tipo de ambiente onde as plantas serão cultivadas, à instalação e manutenção, considerando, principalmente, os aspetos relativos à irrigação.

Nesse contexto, podem ser projetados painéis verdes de grande porte, que vão reunir tecnologias variadas, no substrato e nos sistemas de rega, entre os quais os sistemas hidropónicos, a automação das operações de irrigação e fertilização, os protocolos de manutenção, com monitorização visando identificar a necessidade de troca das plantas, além das agendas de podas, entre outras práticas.

No entanto, predominam, no mercado, os sistemas de menor porte. Eles podem ser instalados em ambientes domésticos e institucionais a custos acessíveis, o que lhes assegura grande potencial de venda.

Podem ser usados materiais variados, como blocos de cimento ou cerâmicas, kits de plástico e treliças. Da mesma maneira, existe uma grande variedade de plantas úteis para esses casos, desde os arbustos até espécies rasteiras.

Por último, existe um nicho de mercado em crescimento, bastante interessante, que valoriza  a reciclagem de materiais, surgindo jardins verticais produzidos com materiais alternativos. Esse tipo de jardim tem como principal ingrediente de sucesso a criatividade daqueles que os elaboram.

Fotos: Thinkstock

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar