Aromáticas e Medicinais

Tudo sobre a stevia

Nomes Comuns: Stevia, erva doce (caà-hê-hé), erva do açúcar, Estevia, erva do mel, Erva doce do Paraguai.

Nome científico: Stevia rebaudiana Bertoni.

Origem: América central e do Sul (Brasil e Paraguai), na serra de Amambaí.

Família: Asteráceas ou Compostas (família dos crisântemos).

Caraterísticas: planta arbustiva, com uma altura que pode variar de 40-120 cm, com haste ramificada (pode ter 20 ramificações ao fim de 4 anos) e folhas simples inteiras, lanceoladas, persistente nos pais de origem e caduca na Europa. A raíz é perene e fibrosa. As flores são brancas e agrupadas. Os frutos são de cor escura e tem uma única semente.

Polinização/Fecundação: Flores são pequenas hermafroditas, aparecem em outubro e podem durar 1 mês, existindo uma fecundação cruzada, necessitando de abelhas e do vento para produzir o fruto.

Factos históricos/curiosidades: A Stevia possui compostos naturais 300 vezes mais doces que o açúcar. Utilizada pelos Índios Guarani, há mais de 1500 anos, chamando-lhe “kaa he he”, que significa erva-doce, que adoçava os remédios. Só em 1887, o naturalista Suíço, “Moiss Santiago Bertoni e o Dr Ouvidio Rebaudi, investigaram cientificamente as propriedades desta planta no Paraguay. O nome “rebaudiana Bertoni” foi dado pela Sociedade de Botânica em homenagem a estes dois investigadores. Utilizado como aditivo (E960-Edulcorante) para adocicar produtos alimentares, sendo 300 vezes maior que a sacarose. A China é o primeiro produtor mundial de Stevia com 75% da produção mundial.

Fecundação/Polinização: As flores aparecem em agosto/setembro

Ciclo biológico: Perene (5-6 anos)

Variedades mais cultivadas: Variedade Criola (Paraguay-0,6 m), Eirete (variedade de porte alto 1,2 m), “Morita (Japoneses).

Parte utilizada: Folhas, que podem ter 5cm de comprimento

Condições ambientais

Solo: Gosta de solos húmidos, arenosos, areno-argilosos, bem drenados com muita matéria orgânica. O pH pode situar-se entre os 5-7,0 (ligeiramente ácidos).

Zona Climática: Subtropical, Tropical e Temperado quente.

Temperaturas: Ótimas: 10-30ºC Min: 8ºC Máx: 43ºC

Paragem do desenvolvimento: 5ºC Morte da planta: -3 Exposição Solar: Exposta ao solo ou semissombra (necessita de 16 horas de luz para germinar).

Humidade relativa: Alta

Precipitação: 1400-1800 mm/ano

Altitude: Alta

Fertilização

Adubação: Estrume de Galinha, composto de minhoca, farinha de ossos, pó de minerais e guano.

Adubo verde: fava, favarola, centeio, trigo. Exigências nutritivas: 1: 1 : 1 ou 1 : 1 : 2 (azoto: fósforo: potássio).

Técnicas de cultivo

Preparação do solo: Com arados e grades a cerca de 25 cm de profundidade.

Data de plantação/sementeira: Início da primavera ou fim do verão.

Tipo de plantação/sementeira: Por semente (Deve estar 24 horas em água) e ter muita luz e humidade ou por estaca (10-15 cm, 3-4 nós ou 5 pares de folhas-parte terminal do ramo, no mês de abril-maio) com rede de sombreamento até aos 60 dias).

Tempo de germinação: 15 dias (20ºC) Faculdade germinativa (anos): 2-3 anos.

Profundidade: 1 cm (semente) Compasso: 20 x 20 cm.

Transplantação: com 90 dias (alguma sensibilidade ao transplante).

Rotação: com, alho-francês, batata e cebola (antes). Caso plante esta planta como anual, deve ter um intervalo de 5 anos.

Consociações: Evitar alface, beterraba, couve, nabo e rabano.

Amanhos: Podar deixando apenas um palmo (junho); Proteger com mantas térmicas ou palha no inverno; podar as novas flores (se não a planta pode morrer).

Regas: Muito frequentes, de 3 em 3 dias no verão e 2 em 2 na primavera e para germinar cerca de 2 vezes ao dia. O sistema mais adequado é o de gota-a-gota.

Entomologia e patologia vegetal

Pragas: Apenas afídios, mosca branca e trips, nas estufas.

Doenças: Septoria, Sclerotina (fungos), míldio e oídio.

Acidentes: Não gosta de solos salinos, ventos e geadas.

Colheita e utilização

Quando colher: setembro, quando a planta começar a lenhificar e a florir (4-5 flores) e tiver mais de 20 cm. Pode cortar a 10 cm do solo, para poder rebentar, em zonas em que a cultura é permanente.

Produção: 1200-3200 /Kg /ha /ano, consoante a cultivar.

Condições de armazenamento: Depois da colheita devem ser secas em forno a 70ºC Valor Nutricional: Contém “esteviosideo”, que adoça 300 vezes mais que o açúcar comum. Contem ainda Zinco, vitamina C, Vitamina A, proteínas, potássio, ferro, magnésio e cálcio. Também é rico em fibra.

Época de consumo: Em fresco no verão.

Usos: O uso direto da folha permite obter um sabor 20- 150 vezes mais doce que o açúcar proveniente da cana. As folhas podem ser usadas para doces, café, chá, sumos, gelados, bolos ou mesmo em pratos assados.

Medicinal: A vantagem é que não aumenta os níveis de glicose no sangue (utilizada por diabéticos), não aumenta as calorias, não é tóxica, protege os dentes e as gengivas.

Cosmética: Utilizada em cremes para a pele, tornando mais macia, firme, combate as impurezas, tonifica e corrige as rugas.

Fotos: Thinkstock

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar