Jardins

Uma visita ao bosque encantado

Arco-íris na vertical

Há um sítio único e mágico no País Basco, o Bosque Pintado ou Bosque animado de Oma, situado na Reserva Natural da Biosfera de Urdaibai. Este bosque de pinheiros é uma obra de Landart criada entre 1982 e 1985 pelo pintor e escultor Agustin Ibarrola (nascido em 1930 em bilbao e que hoje em dia vive em Ávila). Os troncos das árvores estão pintados e em conjunto compõem figuras geométricas, humanas e animais.

Quando se caminha em direção ao bosque e se começam a ver troncos pintados de várias cores e formas, não se percebe nada. Só quando nos localizamos nas setas existentes no chão, é que conseguimos ir olhando daquela perspetiva e ver a figura formada pela composição dos vários desenhos nos troncos. É genial e tão simples que nos deixa encantados.

Convite a um beijo

A visita a este bosque é como fazer um puzzle gigante ou participar num jogo de descobertas e aventuras, só que não é só para crianças, é para todas as idades. A ideia é conseguirmos ver as 47 figuras e é um processo de descoberta muito interessante.

Algumas das figuras são compostas por duas ou três árvores e outras por dezenas delas, vão desde arco-íris, relâmpagos, composições de homenagem a pintores como Miró e El Greco, recriação de crianças, adultos, ciclistas, olhos e formas geométricas várias de todas as cores do arco-íris.

Caminheiros movem-se sem andar

Algumas das figuras são fáceis de detetar e estão acessíveis, outras exigem percursos mais radicais e concentração para as conseguirmos ver.

Este é um excelente exemplo de Landart e de como a natureza e a arte se completam. Cada um de nós vê um bosque diferente, consoante o sentido da visita e a perspetiva com que vai observando.

Segundo Ibarrola este bosque é uma chave para a cultura basca, inspirado pelas pinturas rupestres do paleolítico que existem na gruta de Santimamiñe a poucos quilómetros daqui.

Algumas das figuras de Ibarrola que consegui ver:

1. Convite a um beijo. Esta é uma das primeiras figuras que se vê quando se desce em direção ao bosque.


2. Um expande e o outro contrai numa linha curva.

3. Ao estilo do grupo 57. Foi um grupo formado por Augustin Ibarrola em 1957 em Paris em conjunto com artistas como Jorge Duarte, Juan Serrano, etc, uma homenagem à pintura que faziam na época.

4. Curva, contracurva, concavidade, convexidade, plano.

5. Relâmpago capturado, relâmpago quebrado. Esta composição segundo ibarran aparece como memória a uma grande trovoada que caiu sobre a floresta. Há uma série de composições relacionadas com o arco-íris e com a forma como este se vê na floresta e na natureza.

6. Arco-íris de Naiel. Esta é uma das composições mais bonitas, um arco-íris com o nome de um dos netos de Ibarrola. Arco-íris na vertical esta é uma das primeiras composições do bosque e foi pintada no início de 1982.

7. Caminheiros movem-se sem andar. Uma homenagem a todos os que passam pelo bosque, caminham até lá chegar, param, observam, movem-se sem andar, aparecem e desaparecem. Esta composição foi batizada por Ibarrola como três em um.

8. De linhas verticais e diagonais a gestos humanos. Uma composição formada por árvores pintadas com traços verticais e diagonais. Quando observados de determinados ângulos parecem pessoas a subir às árvores.

9. Casal em azul e encarnado. Um casal a duas cores e a representação de várias pessoas a correr como se estivessem a fugir da polícia.

10. Os ciclistas estão a chegar. Esta é uma homenagem aos visitantes que chegam ao bosque de bicicleta, após fazer um percurso acidentado de todo o terreno. Há uma série de pinturas de olhos de que gostei especialmente pois a imagem de conjunto é fantástica. São olhos de todos os formatos e cores distribuídos por várias árvores. Segundo Ibarrola, esta zona onde estão pintados os olhos é a encosta do bosque que está virada para as grutas de Santimamiñe e estes olhos representam as origens, os antepassados.

11. O grande olho. Uma figura pintada a branco de grande dimensão que é composta por pedaços de desenhos em cinco árvores diferentes.

12. Olhos. Segundo o autor “a vida tem mais olhos do que eu”, esta composição dá vontade de parar e observar durante algum tempo. Há olhos a olhar em todas as direções, de todas as formas, cores e feitios. Cada passo que damos vemos olhos diferentes, é genial. Entre as muitas figuras que consegui ver há uma série de figuras humanas muito interessantes.

13. Metades de duas crianças fazem uma. Duas árvores, cada uma com meia criança pintada que quando vistas em conjunto forima uma criança completa. Menina de cor de rosa. Esta é uma das figuras de crianças que aparecem e desaparecem no meio das árvores como se brincassem connosco às escondidas. Ibarrola foi muito influenciado por El Greco e dedicou-lhe uma das composições.

14. Homenagem a El Greco. Há muitas composições que não são mais do que linhas minimalistas pintadas de várias cores em vários sentidos, unindo ou separando árvores. Este bosque vale a visita, e para isso tire algum tempo pois precisa de algumas horas para fazer o percurso. O bosque foi alvo de um projeto de recuperação (2013-2015), que permitiu conservar uma obra de arte, que é composta por elementos naturais e está exposta a todo o tipo de intempéries.

Fotos: Teresa Chambel

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar