Jardins

Em busca dos jardins e monumentos da Bulgária

Mosteiro de Rila

Embarco no avião, via Paris, com destino a Sofia, na Bulgária. Destino improvável, mas a razão é simples: a Bulgária era um dos cinco países europeus onde eu nunca tinha estado. Havia que descobri-lo.

Aterrei em Sofia às 11:30h da noite. Observei resquícios do regime soviético e da inexistência de uma indústria chamada turismo. No dia seguinte, percorri os 117 kms até ao Mosteiro de Rila, atingível de carro por uma estreita estrada montanhosa. O Mosteiro é famoso pela Torre de Hrelyo, única estrutura da construção do séc. XIV que sobreviveu, pelos frescos da Igreja da Natividade e pelo Museu do Tesouro, fruto do período do Revivalismo Nacional do séc. XIX.

Mas o que verdadeiramente impressiona é a harmonia desarmónica das várias fachadas em torno do enorme pátio. A arquitetura desta construção oferece-nos uma mistura arcos, abóbadas e balcões em madeira, de várias cores, tudo com um grafismo geométrico repetitivo. Todo o Mosteiro se enquadra num pano de fundo montanhoso, de neves ainda não derretidas, que dá a toda aquela atmosfera o tom mágico da obra humana. Conhecer Rila já valeu a viagem.

A bióloga jardineira

Os 445 kms entre Sofia e Varna, no Mar Negro, têm que ser percorridos em duas etapas. A Bulgária embora faça parte da UE, não soube aproveitar os fundos para construir auto-estradas e outras infra-estruras. Projetos mal elaborados e uma fortíssima máfia desviaram os dinheiros para outras paragens.

Casas Kioshk, Plovdiv

Pernoitámos em Plovdiv, uma cidade estabelecida pelos Trácios no séc.V a.C., capturada por Filipe da Macedónia, mais tarde ocupada pelos Romanos, altura em que prosperou, para logo a seguir ser destruída pelos Hunos, em 447. Eslavos, Bizantinos e Búlgaros sucederam-se até ao estabelecimento dos Otomanos que durou  do séc. XIV até ao séc. XIX.

Anfiteatro romano em Plovdiv

Um passeio a pé pela cidade leva-nos à parte velha, de caminhos empedrados com casas tradicionais – as Kioshk -, vestígios de uns tempos mais prósperos da segunda metade do séc. XIX. Este verdadeiro “melting pot” de povos e influências oferece-nos um inesperado anfiteatro Romano, em bastante bom estado, onde se organizam espectáculos e concertos, e que está situado, como é  habitual, num ponto alto e com vista sobre a cidade.

Jardim da rainha Maria da roménia, em Balchik

As estradas são más mas como o tráfego é escasso e a vegetação densa e variada. O objetivo de visitar Varna era ficar perto de Balchik. Assim poderia conhecer o Palácio de férias mandado erigir em 1924, pelo Rei Ferdinando da Roménia para a sua mulher Maria (neta da Rainha Victoria). Inglesa da gema, uma esteta amante da Natureza, a Rainha Maria projetou um jardim, todo em socalcos até à praia. Este jardim tem sido surpreendentemente bem mantido nos dias de hoje, graças a alguns fundos (finalmente) bem aplicados.

Uma pequena equipa de 25 jardineiros mantém uma enorme área de canteiros de violas, túlipas, rosas e outras flores, tudo em belas combinações de cores e formas, sem que se vejam sinais de desprezo. Perguntei à responsável, uma mulher modesta de cabelo apanhado, como era possível manter tudo em tão bom estado com tão pouca gente. Respondeu-me simplesmente: “Com muito amor”. Vim a saber depois que a “jardineira” era bióloga.

Produção de oléo de Rosas Damascenas

Vale das rosas…sem rosas

A etapa seguinte era o famoso Vale das Rosas. Com uma situação excepcional, é um grande vale, completamente plano, rodeado por todos os lados pela cordilheira dos Balcãs; e que tem cerca de 30 kms de plantação de roseiras. É aí que se cultivam as famosas flores que fazem com que a Bulgária seja o maior produtor de essência de rosa do mundo. Até lá chegar, fantasiei um vale maravilhoso cheio de Rosas Damascenas. Normalmente estas rosas florescem no fim de maio, para serem recolhidas no início de junho para a produção do óleo. No entanto uma primavera muito fria atrasou a floração, pelo que rosas, nem vê-las.

Vi, grandes extensões de rosas plantadas, com muita erva daninha à mistura e intercaladas por campos de lavândulas (outra produção importante) tristes e pouco saudáveis. A desilusão transformou-se em depressão quando visitei o Instituto da Rosa e das Plantas Aromáticas e Medicinais. Construções decrépitas, com vidros partidos e janelas enferrujadas albergavam um laboratório que parecia uma unidade industrial abandonada no pós-guerra.

Êxodo rural

De regresso a Sofia, visitámos no Vale dos Reis Trácios. Aqui pude conhecer um incrivelmente bem conservado túmulo, com o nome de Mogila Golyama Kosmatka. Este contém o sarcófago do Rei Seuthes III, construído no séc. IV a.C.. O túmulo mostra exatamente as posições em foram encontrados, uma série de objectos em ouro, que constituem o primeiro ouro trabalhado de que há conhecimento.

Forte de Tsarevets, Veliko Tarnovo

No percurso até Veliko Tarnovo, onde passámos a noite, o estranho puzzle que constitui a Bulgária foi-se clarificando na minha cabeça. Uma história violenta de guerras e invasões, culmina com um incrível volte-face durante a II Guerra Mundial. De início aliados dos alemães, quando perceberam que iam perder a Guerra, em 1943 passaram para o lado dos russos. Isto levou a que o regime comunista soviético se instalasse no país depois da Guerra, transformando-o numa sociedade estalinista modelo até às primeiras eleições livres, em 1990.

Vicissitudes várias, entre as quais um êxodo de 360 mil turcos, levaram a problemas de mão-de-obra e ao abandono dos campos. Atualmente, é um país amargurado, sem esperança no futuro. Os baixíssimos ordenados deixam saudades dos tempos comunistas em que, pelo menos a educação, a saúde e a habitação, estavam garantidas. Agora, não há poder de compra e a Europa está muito longe. A população é de 7.500 milhões, e os emigrantes são 3 milhões.

De regresso a Lisboa, abro o “How to Spend It”, suplemento semanal do Financial Times. Por coincidência, dedica 4 páginas à Bulgária, elegendo-a como “um País para viajantes intrépidos e com discernimento, com uma paixão por lugares pouco conhecidos e atrações culturais primitivas”. Concordo em absoluto.

Fotos: GettyImages e Vera Nobre da Costa

Gostou deste artigo? Subscreva o nosso canal no Youtube e siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest.

Poderá Também Gostar