Hortícolas e Frutícolas

A cultura da laranja

A laranjeira doce é uma boa cultura para climas mais quentes e terrenos protegidos dos ventos. A nível medicinal, os flavonoides ajudam a combater as gorduras dos alimentos e doenças do aparelho urinário.

BI

Nomes comuns: Laranjeira, Laranjeira doce, Laranja de Lisboa, Laranjeira de Portugal

Nome científico: Citrus sinensis (L) Obs.

Origem: Sudoeste asiático, nordeste da Índia e China.

Família: Rutáceas.

Factos históricos: Os relatos mais antigos sobre a laranjeira doce vêm da China, do poeta Han Yen Xi, na sua obra Chü Lu, escrita em 1178 a.C.. A introdução desta cultura na Europa deve-se aos árabes ou, provavelmente, aos descobridores portugueses. No roteiro de Vasco da Gama, afirma-se que à chegada dos portugueses a Mombaça, em 1498, o rei enviou-lhes “Muitas laranjas doces, grandes e muito melhores do que as de Portugal.”

Sabe-se que a origem das novas variedades mais doces, deve-se aos descobridores portugueses que trouxeram de Goa, por D João de Castro, em 1520-1548 e foram plantadas em Xabregas no Jardim do Conde de  S. Lourenço D. Francisco de Mascarenhas. Estas foram as “plantas mãe“ que depois viajaram para o sul de Portugal, Madeira, Açores e Brasil.  O Brasil, tornou-se no principal produtor de laranjas do Mundo, logo seguido pelos Estados Unidos e a China. Em Portugal, as zonas com maior produção são o Algarve, o Alentejo  e o Ribatejo-Oeste.

Descrição: Árvore pequena que pode alcançar entre 6 a 12 m de altura, vigorosa, de copa densa (3-4 m) e esférica com folha permanente. As folhas são maiores que a laranjeira doce e as flores brancas. Os ramos têm geralmente espinhos na axila das folhas. As raízes podem atingir a profundidade de 0,8 a 1,5 m.

Polinização/fecundação: São hermafroditas, não precisando de ter varias variedades para dar frutos. As flores aparecem na primavera, desde março a abril. Mais de 80 % da polinização deve-se às abelhas e a outros insetos (entómofila).

Ciclo biológico: No nosso clima, a floração ocorre na primavera e os frutos são colhidos no final do outono até ao princípio do inverno.

Variedades mais cultivadas: “Washington Navel”, “Dalmau”, “Jafa”,“Valencia Late”, “Newhall”, ”Navelina”, ”Lane Late“, “S. Miguel”, “Mediterranean Sweet”, “Seedling”. Late”, ”Navelate”, ”Bahia”, “Baianinha” “Portugaise”, “D.João”, “Setúbal”, ”Moro”(sanguinea), “Sanguinelli”, “Ruby Blood”(sanguíneas).

Parte comestível: O fruto de cor laranja ou laranja-avermelhado (sanguíneas) 81-100 mm de diâmetro (calibre 1-3).

Foto: Unsplash

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar