Aromáticas e Medicinais

Dedaleira, uma planta amiga da tensão arterial

A dedaleira (Digitalis purpurea) é uma planta da família das Escrofulariáceas, também conhecida por abeloura, luvas-de-santa-maria, troques, maias, erva-dedal e nemas. Em inglês tem o nome de foxglove.

A sua utilização como planta medicinal é conhecida desde 1000 d.C., sendo utilizada na Europa, especialmente na Grã-Bretanha como expetorante para tratar tosse, ataques de epilepsia, inchaço das glândulas linfáticas e para limpar, secar e cicatrizar feridas. Foi introduzida na “London Pharmacopeia” em 1650; no entanto só 50 anos mais tarde é que as suas propriedades foram reconhecidas no tratamento de doenças cardíacas. Em 1785, o médico e botânico inglês William Withering publicou um estudo denominado “An account of the foxflove and some of its medical uses” sobre a dedaleira, baseado em resultados da sua prática médica.

Descrição e habitat

A dedaleira é uma planta herbácea bienal. Tem um caule singular, ereto, folhas largas, lanceoladas e flores campanuladas de cor púrpura, rosa ou branca, apresentado manchas arredondadas de cores diferentes, no interior das flores. Estas manchas servem para conduzir as abelhas para o interior onde se encontra o néctario.

É nativa da Europa Ocidental. Muito bem aclimatada às ilhas britânicas onde além de crescer espontânea, é também muito utilizada como planta ornamental.

Prefere solos húmidos e terrenos sombrios e siliciosos. Muito comum na Serra de Sintra e norte e centro do País perto dos cursos de água.

Constituintes e propriedades

Contém glicósidos e heterósidos cardíacos como a digitoxina, digitalina, e lanatósidos na variedade (D.lanata). Contém ainda saponósidos, flavonoides e sais minerais.

A ação cardiotónica, devido aos heterósidos, aumenta a contractibilidade cardíaca e diminui a excitabilidade, a conductividade e o ritmo, baixando a necessidade de oxigénio para o trabalho cardíaco. Os sais minerais e os flavonoides conferem-lhe propriedades diuréticas.

Derivados desta planta são muito usados na indústria farmacêutica no fabrico de medicamentos para tratar insuficiência cardíaca, porque melhoram a circulação e equilibram a tensão arterial.

Precauções

Utilizar apenas sob vigilância e aconselhamento profissional, porque uma dosagem errada poderá ser fatal. É importante conhecer o estado renal, hepático, electrólitico e da tiróideia antes de prescrever digitálicos.

No jardim

É uma planta muito interessante, constituindo bonitas bordaduras muito apelativas para abelhas.

Fotos: GettyImages

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar