Jardim

Quintas de recreio do vale de Loures

Tire 30 minutos para navegar no rio Trancão e descobrir estes maravilhosos espaços.

Ainda hoje, apesar da maciça urbanização de algumas zonas do imenso vale de Loures, é possível sentir e extasiarmo-nos com toda esta magia da paisagem das quintas de recreio construída por gerações de investimento de sonho e fantasia. A paisagem natural é moldada pela planície de aluvião do rio Trancão e pela rede de canais em tempos navegáveis, e ainda hoje alimentados pela maré do estuário do Tejo e do oceano Atlântico, que, diariamente, com a preia-mar, permite a navegabilidade até muitos quilómetros terra adentro desde Sacavém até à ponte de Frielas.

Na Quinta das Carrafouchas

O Ninfeu e os marmeleiros na Quinta das Carrafouchas.

Com origens que remontam ao século XVIII, foi comprada, em 1874, ao marquês da Valada por Joaquim Francisco Canas e permanece na família até hoje. É uma das mais bem preservadas quintas de recreio do vale de Loures e produtora da região vitivinícola de Bucelas.

Além de toda uma estrutura agroindustrial, é também uma casa de família, um refúgio para receber, para mudar de ares, sair da cidade na direção do campo e trazer o eruditismo para o mundo rural, com o maravilhoso ninfeu, um refúgio de água e casa de fresco, construído sobre um tanque semicircular. Aí chegamos por entre os marmeleiros em espaldeira, as figueiras e os vinhedos. Aqui sentimos o poema de Cesário Verde acerca de uma aristocracia e de uma burguesia que se diverte em granzoais azuis de grão-de-bico, colhendo as rubras papoilas, em piqueniques com alperces, fatias de pão-de-ló molhadas em malvasia e mágicos pores do sol (ver poema De Tarde, de Cesário Verde).

Na Quinta do Conventinho

Os mirantes e os extensos relvados, antigos pomares do convento.

Convento franciscano, construído em 1573-75, quinta de recreio e casa aristocrática, após a extinção das ordens religiosas, em 1834, os edifícios e a cerca conventual são adquiridos, em 1988, pela Câmara Municipal de Loures, que aí instala o Museu Municipal, inaugurado em 26 de julho de 1998.

Os mirantes e o pombal dominam a paisagem, a propriedade ainda mantém os campos de cultivo que a rodeiam na sua colina altaneira. O ex-líbris é o mirante coberto de azulejos azuis e brancos, onde podemos contemplar esse imenso ponto de fuga que prolonga o vale de Loures
quase até ao innito por Vialonga até Alverca. 

Os campos da cerca são hoje um parque de extensos relvados que podemos apreciar da esplanada da cafetaria e da loja do museu.

Na Quinta da Mitra

O aqueduto em Santo Antão do Tojal e os pombais do jardim.

Santo Antão do Tojal foi residência dos bispos de Lisboa desde o século XVI, mas o atual edificado é fruto de um projeto e programa barroco,
que ricamente reconstrói a quinta quinhentista, depois da constituição do Patriarcado de Lisboa, a “Roma portuguesa”. É o primeiro Cardeal
Patriarca D. Tomás de Almeida que encomenda o projeto ao arquiteto italiano Antonio Canevari, em 1728, que executa o monumental aqueduto, o palácio do chafariz-fonte monumental e o palácio e os jardins patriarcais, que receberam a corte e o rei D. João V em frequentes visitas, subindo o Trancão na sua galeota. Por aqui viram-se também passar muitas das pedras e materiais utilizados no convento de Mafra.

Hoje podemos visitar e admirar os jardins e os edifícios que integram uma extraordinária obra de assistência social, a Casa do Gaiato de Lisboa, com o lema “uma casa de família para as famílias e pelas famílias”. 

Na Quinta e no Palácio do Correio-mor

O Palácio do Correio-Mor deve o seu nome a Luís Gomes da Mata, nomeado correio-mor no tempo de Filipe II. Foi construído ao longo de gerações de privilégios, tenças e títulos.

É numa discreta curva da estrada nacional n.º 8, que conduz à Lousa e à Malveira, mesmo em frente da igreja medieval de Santa Maria, que se inicia a rampa que conduz a um mundo que nos surpreende pela dimensão do palácio e pela monumentalidade das praças e terreiros que envolvem e enquadram as alas palacianas do edifício, formando um “U” que configura o pátio de honra orientado ao vale de Loures.

O grupo Fibeira é o proprietário dos cerca de 140 hectares, palácio e salões mobilados, onde genuinamente e inusitadamente descobrimos um enorme e delicado programa decorativo de azulejos estuques setecentistas digno dos grandes palácios reais europeus. É possível alugar para atividades e eventos e participar em futuras ações e programas no âmbito da botânica e da paisagem.

Conclusão

Hoje, a Câmara Municipal de Loures, as instituições e os proprietários destas quintas, veem neste património uma importante mais-valia para o desenvolvimento turístico e para a oferta de qualidade de vida na área meropolitana, com um apelo bem atual do “vá para fora cá dentro”.

 

Gostou deste artigo? Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Pinterest.


 

Poderá Também Gostar