Viagens

Quintas do Montejunto

30 Minutos… nesta “paisagem protegida” de neve e moinhos, a secular quinta do Convento de Nossa Senhora da Visitação, turismo rural e vinhos premiados.

A duas legoas e meia de Alanquer contra o Norte se levanta a serra que hoje chamão de Monte junto. A maior antiguidade lhe chamou Monte sacro, e também Monte tagro… Nós a pudéramos nomear por hum só monte de pedra, ou huma só pedra, ante que serra.” (Frei Luís de Sousa, séc. XVII).

O maciço calcário do Montejunto eleva-se das planícies e colinas que o rodeiam até ao ponto mais alto, 666 metros, coroado pelas ruínas dos conventos dominicanos, pela igreja de Nossa Senhora das Neves e pela Capela de São João, visíveis de dezenas de quilómetros o maciço é o ponto focal e de referência na paisagem do alto estuário do tejo.

A serra do Montejunto, que é classificada como paisagem protegida desde 1999, abrange cerca de 5000 hectares, divide-se pelos concelhos de Alenquer e Cadaval, e oferece atividades desportivas de ar livre, percursos temáticos, e culturais.

As condicionantes e o confinamento imposto pela atual pandemia de covid-19 têm contribuído para uma exponencial procura da serra como bálsamo para o equilíbrio físico e psicológico. Entre Montejunto, o estuário do Tejo e a capital, construiu-se um forte elo através da antiga Real Fábrica do Gelo que laborou nos séculos XVIII-XIX e aproveitava as neblinas geladas da serra, abastecendo Lisboa da preciosa neve.

Beneficiando da rápida navegabilidade do estuário, a “barca do gelo” fornecia as boticas e cafés como o Martinho da Arcada ou confecionava os deliciosos sorvetes de várias castas que faziam as delícias da corte.

O complexo fabril está em processo de reabilitação para abertura ao público em breve. Contíguo encontramos o denso bosque de castanheiros adaptado a parque de merendas, acompanhado por restauração, parque de campismo e centro de interpretação ambiental.

As quintas de recreio do Montejunto

O Montejunto tem nestas quintas de recreio um património paisagístico arquitetónico e artístico inesgotável, motivo de visita e descoberta dos jardins, das alamedas, dos deambulatórios e das zonas de estar junto aos tanques ou aos pequenos ninfeus. Acompanhando a mata os pomares e os vinhedos, a serra proporciona cenários de luz e cor espantosos, onde os nevoeiros que a coroam dão a ilusão de um manto de neve em pleno estio.

O alcandorado das colinas faz destas quintas miradouros privilegiados lembrando as villas renascentistas, com perspetivas quase infinitas sobre as planuras até ao estuário do Tejo ou na vertente norte até à costa atlântica e o horizonte oceânico da Lourinhã, de Óbidos, de Peniche das Berlengas ou da Nazaré.

Quintas como a Quinta do Vale de Riacho, a Quinta das Rosas ou a Quinta do Convento de Nossa Senhora da Visitação, e outras agora inativas, como a Quinta do Coelho ou a Quinta da Abrigada, são testemunhos seculares dessa procura do campo para construir arte e prazer a poucos quilómetros e distâncias que permitiam e permitem rápidas e confortáveis viagens ou estadias de um dia a poucas horas da grande cidade.

A quinta do Convento de Nossa Senhora da Visitação

São muitas as estórias e História que nos guiam nesta visita de descoberta da quinta do Convento de Nossa Senhora da Visitação; a cerca e convento franciscano foram desenhados e finalizados, em 1540, pelo grande arquiteto quinhentista João de Castilho, financiado por D. Pedro de Noronha, dos senhores e condes de Vila Verde dos Francos, futuros marqueses de Angeja, com um extenso senhorio centrado no suntuoso palácio no centro da povoação, hoje em ruínas.

O que resta do antigo convento franciscano quinhentista é ainda rico no seu espólio azulejar e artístico; de uma forma nobre e discreta a igreja prolonga-se no palacete oitocentista construído pelo visconde de Chanceleiros, que adquire e restaura a propriedade após a extinção das ordens religiosas de 1834, os lagos, a fonte do leão e a frondosa mata de cariz romântico transporta-nos para Sintra ou para o Buçaco.

Exterior aos muros da cerca conventual encontramos os 14 hectares de vinhas e a adega de José Maria da Fonseca, que também aqui imprimiu o seu cunho, mas é à atual Sociedade Agrícola, que gere os destinos da quinta desde 1997, que se deve a preservação e a promoção deste extraordinário património, que assim se mantém resiliente ao longo destes cinco séculos, oferecendo atualmente espaços excecionais para eventos, hotel rural e uma produção de renome internacional dos premiados vinhos da Quinta do Convento.

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar