Pragas e Doenças

Aprenda a reconhecer os perigos do jardim: Parte II

Dólar – em caso de humidade alta

O que faz· Esta doença ataca quando o relvado vive em condições de humidade alta e temperaturas suaves ou quentes. O resultado são pequenas manchas amarelas. Prolifera em consequência da passagem de pessoas, animais ou máquinas.

As vítimas· O relvado.

Solução· Areje e escarifique o terreno de três em três meses.

Escaravelho das flores – vigie as massas florais

O que faz· Devora as pétalas das plantas em busca do pólen. No estado adulto, introduz-se nas flores devorando os botões, folhas e rebentos jovens. Ataca zonas de grandes densidades florais.

As vítimas· Espinhos, roas e salgueiros, entre outras.

Solução· Elimine à mão os exemplares adultos. Deite água sobre as flores para dispersar os escaravelhos. Pulverize com óleo mineral.

Gomose – atenção às feridas da poda

O que faz· Este fungo surge em consequência de gretas em troncos e ramos. Os primeiros sintomas são a debilidade geral da árvore: as folhas amarelecem e a vegetação fica debilitada. As gretas cortam o fluxo de seiva e secam os ramos, que deixam de brotar.

As vítimas· Fruteiras e citrinos.

Solução· Retire as partes afectadas. Evite encharcamentos e falta de água. Faça um alporque e deixe a descoberto parte das raízes para arejamento. Evite feridas na planta.

Lagarta cinzenta – atenção aos bolbos jovens

O que faz· Assim como a lagarta branca, vive debaixo da terra e alimenta-se de raízes, tubérculos e bolbos. Os danos mais importantes são produzidos na Primavera e no Outono. No relvado, deixa manchas amareladas.

As vítimas· Crocus, dália, morangueiro, gladíolo, batata e petúnias, entre outras.

Solução· Desinfecte o solo. Deixe os ovos a descoberto no Verão. Não regue. No relvado, corte as zonas murchas e elimine as raízes.

Borboleta do gerânio – perfura os ramos

O que faz· Penetra e devora o ramo. Escava galerias que prontamente são infectadas por fungos.

As vítimas· Todas as plantas do género Pelargonium.

Solução· Pode o material estragado. Faça tratamentos preventivos de 15 em 15 dias se detectar borboletas junto destas plantas.

Míldio – visita segura em dias quentes

O que faz· Estraga folhas e frutos e debilita a planta. Produz manchas semelhantes a queimaduras, velosidades brancas, cinzentas ou negras, amarelecimento e podridão.

As vítimas· Crisântemo, dália, evónimos, gerânio, hortaliças, parra virgem e roseiras, entre outras.

Solução· Não use o sistema de aspersão e respeite as distâncias ao plantar. Acondicione bem o solo com matéria orgânica.

Mosca branca – em locais sombrios e mal ventilados

O que faz· É um insecto muito resistente que surge em atmosferas húmidas e mal ventiladas e em zonas sombrias. A sua presença detecta-se agitando as folhas das plantas e observando se em seu redor existem pequenas moscas brancas.

As vítimas· Begónia, fucsia, gerânio, hortênsia e outras espécies ornamentais.

Solução· Lave a planta com sabonária.

Mosca da fruta afeta fruteiras

O que faz· Surge na Primavera. Pica a fruta, sobretudo a mais mole, e em redor surge descoloração em forma de manchas amarelas. As larvas alimentam-se da polpa, provocando a decomposição e queda do fruto. As vítimas· Figueira e macieira, entre outras.

Solução· Controle a fase adulta. Coloque frascos cheios de água com açúcar para se afogarem.

Musgo – demasiada humidade ou sombra

O que faz· O aparecimento do musgo deve-se ao excesso de humidade ou à carência de nutrientes minerais como azoto ou fósforo. Na sua ausência, enche-se de liquenes ou algas, que impedem o desenvolvimento correcto e vigoroso.

As vítimas· Todo o tipo de relvados.

Solução· Como método preventivo, areje e escarifique o solo. Aplique adubos minerais. Em caso de grande ataque, aplique herbicidas. Volte a semear a zona estragada.

Oídio – evite molhar a folhagem

O que faz· Ataca flores, gemas, botões e rebentos. Provoca murchidão, perda de vigor e apodrecimento da flor. Surge em ambientes húmidos com velosidades brancas ou acizentadas redondas nas folhas ou pó esbranquiçado.

As vítimas· Begónia, crisântemo, dália, evónimos, margarida e rosa, entre outras.

Solução· Não abuse dos adubos azotados. Evite molhar as folhas. Respeite as distâncias de plantação para favorecer boa ventilação. Pode as zonas afectadas.

Gostou deste artigo? Siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest e subscreva o nosso canal no Youtube.

Poderá Também Gostar