Cultivar Bio Hortícolas e Frutícolas

Cultura da amora silvestre

Nomes comuns: Amora silvestre, amora, framboesa negra, silvas, amora-do-mato, amora brava, amora do campo, amora vermelha.

Nome científico: Rubus sp, Rubus fruticosus L (espécies Europeias), R. ulmifolius Scott, R Occidentalis (espécies americanas melhoradas). O nome genérico da amora “Rubus”, vem da palavra inglesa “red” (vermelho).

Origem: Europa, Ásia e América do Sul.

Família: Rosáceas.

Características: São pequenos arbustos (podem crescer até aos 3-6 m) muito vigorosos, com ramos arqueados, que no primeiro ano se desenvolvem e no segundo dão origem a flores e frutos. Os ramos são espinhosos e as raízes são fasciculadas e superficiais. As amoras só dão uma colheita por ano, no verão.

Fecundação/polinização: As flores são hermafroditas e autoférteis e surgem na primavera.

Factos históricos: As plantas deste género existem há mais de 24-36 milhões de anos. A amora silvestre, também é utilizada no fabrico de móveis (folheado de amora silvestre). Um desenho do famoso Leonardo da Vinci da amora silvestre foi realizado entre 1508-1510, sendo considerado um dos melhores e mais completos estudos botânicos do autor. Um dos gelados mais apreciados é feito de amora pela casa Santini. Em Portugal, existem vários nichos de produção de amora silvestre, que são Vila Real, Sintra, Odemira, Covilhã e Fundão. A nível mundial, os Estados Unidos são os principais produtores, seguidos da Sérvia.

Ciclo biológico: Começa a produzir ao segundo ano e dura até aos 10 anos.

Variedades mais cultivadas: Com espinhos – “Himalaya”, “Silvan”, “tayberry”,“Asthon Cross”, “Bedford Giant”, “Cherokee”, “Fantasia”, “Bailey”, “Runguer”, “Longanberry”, “Youngberry”, “Boysenberry”. Sem espinhos: “Smoothstem”, “Black Satin”, “Dirkinsen”, “Aurora”, “Darrow”, “Thornless”, “Black Diamond”, “Ebony King”, “Thornfree”, “Ranger”, “Loch Ness”, “Oregon Thornless”, “Waldo” e “Helen”.

Parte comestível: Fruto (pseudobaga).

Condições ambientais

Solo: Profundo, húmido e rico em húmus mas tolera solos pobres e abandonados, não sendo muito exigentes em nutrientes. O pH do solo deve estar entre os 5,0-6,5.

Zona climática: Temperadas.

Temperaturas: Ótimas: 15-25ºC Min: 7ºC Max : 35ºC.

Paragem do desenvolvimento: 6ºC. A maioria das cultivares, precisa de horas de frio, para dar fruto.

Exposição solar: Pleno sol ou semissombra.

Humidade relativa: Média ou alta.

Precipitação: Deve ser media/alta nos meses outono-inverno.

Fertilização

Adubação: Estrume bem decomposto (aves e vacas), composto, farinha de ossos e adubo feito de algas. Alimentar as plantas a partir de janeiro-março.

Adubo verde: Aveia preta, favas.

Exigências nutritivas: 1:2:2 ou 1:1:2 (N:P:K).

Técnicos de cultivo

Preparação do solo: Subsolagem e gradagem a nível superficial (30 cm), incorporando matéria orgânica e calcário (caso seja necessário).

Data de plantação/sementeira: Princípio do outono ou início da primavera.

Tipo de plantação/sementeira: Por estacas, que enraízam sem cortar da planta mãe.

Profundidade: 60 cm.

Compasso: 3 x 3 ou 1,5 x 2,5 m.

Consociações: Com salsa, alface, feijão e ervilhas.

Amanhos: Precisa de suportes que podem ser feitos com barrotes de madeira (1,8 metros) à distância de 6 m, unidos com fios de metal distanciados de 30 em 30 cm; Outro sistema utilizado e em T a 1-1,5 metros de altura com dois arames na parte superior; Podar junto ao solo, os ramos que deram frutos; colocar uma rede, assim que os “frutos” comecem a ficar maduros; mondar as ervas daninhas e aplicar uma cama de palha.

Regas: Com maior frequência no período da floração, por gota-a-gota. Aplique 4-8 l por semana no verão.

Entomologia e patologia vegetal

Pragas: Afídeos, pássaros, Psilas, broca-do framboeseiro, aranhiço-vermelho.

Doenças: Botrytis, mancha vermelha (Sectocyta sp), cancro dos ramos (Botryosphaeria dothidea), ferrugem, galha do colo, Antracnose e diversos vírus.

Acidentes: Quando o pH e maior que 5, começam as carências em ferro.

Colheita e utilização

Quando colher: Assim que mudem da cor vermelha para preto e ficarem gordas e lustrosas.

Produção: Cada planta produz 3-10 kg / ano (do 2º ao 4ºano).

Condições de armazenamento: Não se deve armazenar este fruto, embora se faça durante 2-3 dias a -0,5-0ºC e H.R entre os 90-95%. Admite congelação.

Valor nutricional: Ricos em açúcares, ácidos orgânicos e vitaminas A, B, E, K e C, minerais (caliço, potássio, magnésio e ferro) e fibras.

Época de consumo: Julho-agosto.

Usos: Podem ser utilizadas em gelados, doces, tartes e bebidas. A nível medicinal, é um dos mais poderosos antioxidantes, sendo por isso muito utilizado na luta contra o cancro.

Fotos: GettyImages

Gostou deste artigo? Siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest e subscreva o nosso canal no Youtube.

Poderá Também Gostar