Aromáticas e Medicinais

Descubra a Erva-do-caril

A erva-do-caril está muito associada aos aromas da nossa flora e cresce em terrenos secos, rochosos, áridos e estéreis, em arribas arenosas, por toda a costa mediterrânica.

É uma erva ou subarbusto lenhoso, muito aromático. Possui um caule que pode atingir cerca de 70cm, densamente tomentoso (coberto por uma espécie de penugem); folhas lineares; de cor verde-acinzentada; fazendo lembrar a lavandula angustifólia. Possui pequenas flores tubulosas de cor amarelo citrino.

Pertence à família das Compostas ou Asteráceas.
Os seus nomes comuns variam muito de região para região. Na zona do Baixo-Alentejo dão-lhe o nome de macela; marcela; margaça; marcela-amarga; marcela-do-campo e mar- cela-real, nomes aplicados à camomila noutras regiões do País.

Na Serra-da-Estrela chamam-lhe perpétuas-das-areias e até mesmo rosmaninho, crescendo em matos de estevas (estevais) e de urzes (urzais), em zonas de menor altitude.

Em Portugal continental as espécies espontâneas são o Helycrisum italicum (Roth) e H. stoechas (L) .Na Madeira, Minho e Buçaco encontra-se o H.foetidum (L), de odor desagradável.

Constituintes e propriedades

  • Óleo essencial, lactonas sisquiterpénicas, flavonoides, flavonas (helicrisinas A e B e naringenina), compostos triterpénicos, esteróis e ácidos aromáticos (cafeico e outros);
  • Usa-se principalmente para extração do óleo essencial com propriedades antibacterianas, antifúngicas, anti-inflamatórias e cicatrizantes;
  • Na medicina popular usam-se internamente as flores e os caules tenros, em infusão, no tratamento de: dores de estômago; febre; gripe; constipação; tosse; mau hálito; cistites e uretrites;
  • Em uso externo para tratar problemas da pele como psoríase e eczema;
  • Na indústria farmacêutica, o óleo essencial é usado em preparações dermatológicas para promover a cicatrização na psoríase e na urticária.

Cosmética

Tem vindo a ganhar lugar de destaque na indústria da cosmética em cremes antirrugas e também na perfumaria.

Hortas e jardins

Cultivada em bordaduras de hortas e jardins, propaga-se facilmente a partir de estacarias. Fazem bonitos canteiros de folhagem prateada e flores amarelas, entre abril e outubro, atraindo polinizadores e afastando pragas.

Existem várias outras espécies não nativas, importadas da África do Sul e que podem tornar-se invasoras, colocando em perigo as espécies autóctones, são elas o H.petiolare, o H.decumbens e o H.orientale.

Precauções: Não usar na gravidez ou no aleitamento.

Culinária

A não ser o aroma e o nome, a erva-do-caril nada tem a ver com a combinação de especiarias orientais a que se dá o nome de caril.

Pode no entanto utilizar também esta planta para aromatizar pratos de arroz, estufados ou rechear carnes ou legumes. As flores podem ser utilizadas em saladas de frutas ou para dar um toque exótico a sangrias e refrescos aromáticos.

Gostou deste artigo? Subscreva o nosso canal no Youtube e siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest.

Poderá Também Gostar