Jardim

Estrumes na agricultura

Todos já sabemos da importância dos estrumes, estercos na agricultura e fertilidade dos solos. Este facto vem referido em obras muito antigas como a Odisseia e a Bíblia.

Já Aristóteles referia a importância do húmus contido nos estrumes como o alimento das plantas. Os estrumes podem ser fertilizantes orgânicos se tiverem concentrações suficientemente altas de nutrientes que satisfaçam as necessidades das plantas. Mas também são considerados, desde há muitos séculos a mais importante substância melhoradora dos solos e importantes corretores orgânicos se tiverem uma percentagem significativa de matéria orgânica, de modo a melhorar a estrutura e aumentar a atividade biológica. Em agricultura biológica, só são permitidos estrumes de explorações em que os animais tenham prados para pastar e sejam conduzidos em modo de produção biológico.

Os estrumes mais utilizados são os de vaca, cavalo, galinha, cabra, ovelha, peru e coelho. A constituição dos estrumes naturais está dependente do tipo da dieta alimentar (flora dos prados), material usado nas camas, da espécie de animal e da sua idade. Os animais adultos produzem mais estrume e de melhor qualidade. Também a “cama” dos animais pode variar e alterar a sua composição. Os materiais mais usados são as palhas de centeio, aveia, trigo, cevada, fetos, caruma, matos (tojo, giesta, urze, etc.) e até serradura.

Os estrumes de animais de quinta tem de ser bem fermentados ou compostado para que não existam percas de azoto e outros nutrientes e para poderem ser rapidamente aplicados nas culturas. Experiências realizadas com estrume de vaca, exposto a 20 ºC, sem ser compostado, verificaram que 36,2% do azoto era volatilizado (perdido) em sete dias. Na compostagem, o azoto e outros nutrientes são fixados pelos microrganismos, evitando assim as perdas.

Vantagens dos estrumes compostados:

  • Aumentam da capacidade de absorção ou infiltração da água.
  • Fornecem alguns nutrientes às plantas (N:P:K-pelo menos 6% do peso total), de libertação lenta (demora 2-5 anos), como o azoto e fósforo, impedindo a sua lixiviação.
  • Melhoram a circulação do ar ou arejamento do solo e a sua estrutura, devido ao seu conteúdo em matéria orgânica (M.O.) total (pelo menos 30% da M.S), ficando o solo mais fácil de trabalhar.
  • Podem aplicar-se em grandes quantidades sem prejuízo para as raízes (melhoram a penetração das raízes) ou germinação das sementes.
  • Estimulam a atividade microbiológica.
  • Evitam a erosão e desertificação
  • Reduzem as oscilações bruscas do pH (poder tamponizante) Numa propriedade rural, grande quantidade dos macronutrientes utilizados pelas culturas dos prados na alimentação do gado podem ser restituídos através da compostagem dos estrumes. As quantidades aconselháveis, dependendo das análises do terreno e do tipo de estrume, situam-se entre as 20-45 toneladas/hectare.

Os estrumes mais usados e as suas propriedades

CAVALO

O estrume de cavalo em regra é mais valioso equilibrado, porque o cavalo alimenta-se de muitas sementes e o estrume é rico em nutrientes; sendo um “estrume quente”, fermenta mais rapidamente. Tem de ser fermentado (2-3 meses) para eliminar as ervas espontâneas e bactérias nocivas. Depois, pode ser aplicado em qualquer altura, melhorando o arejamento e drenagem de solos pesados.

AVES (GALINHA, PERU, PATO)

São produtos ricos em matéria orgânica e nutrientes principais (são dos mais ricos), com valores altos de azoto, fósforo, potássio, enxofre, magnésio e bons teores de micronutrientes como o cobre, zinco,

OVELHA

Também é um estrume quente, seco, fermentando mais rapidamente e perdendo o seu azoto se não for controlado. Boas quantidades de fósforo, potássio e matéria orgânica. Bom para aplicar como “empalhamento” ou cobertura do solo, atraindo muitas minhocas e bactérias benéficas. Se fizer “chá” de estrume de ovelha, será ótimo para regar plantas em crescimento.

CABRA

É um estrume rico em micronutrientes e M.O, fácil de aplicar junto das plantas e não “queima“ como o de cavalo e a vaca. Deve ser fermentado no outono-inverno para ficar mais húmido e estar disponível na primavera. Mais fácil de se obter e manusear, não tem cheiro intenso.

COELHO

Rico em azoto, e micronutrientes, melhora a estrutura do solo e a sua fertilidade. Não possui um odor intenso e deve ser fermentado, pois pode queimar as suas culturas. É fácil de espalhar, o que se revela uma ótima vantagem.

PORCO

O estrume de porco tem tido alguns problemas com bactérias nocivas como E. coli salmonela, prejudiciais para a nossa saúde. Também devido a dieta alimentar, têm-se registado elevados conteúdos de cobre e zinco.

VACA

Trata-se de um estrume húmido e pouco rico em nutrientes que fermenta mais lentamente, também chamados estrume frio. Quando compostado, elimina as bactérias nocivas E. coli, fornece boas quantidades de matéria orgânica, areja os solos compactos e melhora os solos arenosos, pois aumenta a capacidade de retenção de água. Fornece bactérias benéficas que ajudam na conversão dos nutrientes para as plantas, libertando-os lentamente.

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar