Plantas Ornamentais

Paphiopedilum, uma orquídea de climas quentes – parte 1

Paphiopedilum

É um género que compreende quase uma centena de espécies oriundas de todo o Sul e Sudeste Asiático desde os Himalaias até à China, Tailândia, Malásia, Filipinas e tantos outros países asiáticos. São plantas simpodiais, compostas por folhas mais ou menos estreitas com comprimentos e colorações variáveis. Muitas são completamente verdes e outras tesseladas (pintalgadas ou às manchas).

De uma forma muito generalizada, dizemos que os Paphiopedilum de folhas verdes gostam de temperaturas mais baixas e que os de folha manchada gostam de temperaturas e ambientes mais quentes. No entanto, se formos analisar as dezenas de espécies uma  a uma, chegamos à conclusão que não é bem assim. Este género é tão variado que encontramos também Paphiopedilum de folhas verdes que precisam de calor e alguns de folhas manchadas que preferem ambientes mais frescos. Chamemos-lhes  as exceções à regra, se assim o entenderem.

Algumas características comuns em todos os Paphiopedilum são as suas raízes acastanhadas e cheias de pilosidades e a forma como as folhas se dispõem, crescendo umas dentro das outras a partir de um mesmo ponto, as mais velhas envolvendo as mais recentes, sendo o número de folhas variável, consoante as espécies. Outra das características comuns é a forma das flores, constituídas por uma sépala dorsal, as duas sépalas laterais fundidas numa só estrutura – o sinsépalo –, duas pétalas e o labelo em forma de bolsa ou, como é conhecido normalmente, por parecer um sapato, um sapatinho.

Paphiopedilum St. Swithin

A Secção Corypedilum

Não há um verdadeiro consenso entre os taxonomistas e as divisões dentro do género Paphiopedilum. Dependendo dos autores, temos mais  ou menos subgéneros e mais ou menos secções e divisões.

No entanto, há alguma concordância num grupo de espécies que se destacam em algumas características. São nove espécies, cinco originárias de Bornéu, três das Filipinas e uma da Papua Nova-Guiné. São multiflorais, o que significa que podemos obter várias flores abertas em simultâneo na mesma haste floral e as pétalas destacam- -se pelo seu comprimento e por crescerem torcidas em espiral, dando um bonito efeito visual. As espécies mais procuradas são o Paphiopedilum philippinense e o P. rothschildianum.

Crescem geralmente em maciços calcários, com as raízes escondidas nas fissuras das rochas, mas também podem crescer no solo florestal ou mesmo agarradas a troncos de árvores em locais com boa luminosidade desde que não apanhem sol direto.

Paphiopedilum St. Swithin

O cultivo

Por serem plantas que atingem bons tamanhos, há tendência de utilizar vasos demasiado grandes. Deveremos escolher o vaso tendo em conta o tamanho da raiz e não das folhas.

Um vaso de barro poderá dar mais estabilidade, mas podem usar-se igualmente vasos de plástico. Como substrato, uma mistura de casca de pinheiro de 1-2 cm misturado com um pouco de perlite ou mesmo musgo de esfagno. Muitos cultivadores juntam algumas pedrinhas calcárias ao substrato simulando o habitat onde são encontrados na natureza.

Os Paphiopedilum gostam de ter sempre o substrato ligeiramente húmido e as regas deverão ser a cada  4-5 dias. As temperaturas não devem baixar dos 12 graus durante a noite nos meses mais frios, podendo chegar aos 30 nos dias mais quentes. Gostam de boa luminosidade, sem sol direto, durante todo o ano, mas no inverno podemos regar um pouco menos (uma vez por semana). Quinzenalmente, devemos fertilizar com um adubo próprio para orquídeas exceto no inverno.

São orquídeas que podem não crescer tão rapidamente quanto outros sapatinhos e podem ser demoradas a estabilizar-se e a desenvolver o sistema radicular. No entanto, assim que são suficientemente maduros para florescer, o que acontece normalmente no final da primavera ou início de verão, deixam qualquer um maravilhado com o exotismo e exuberância das suas florações.

As 9 espécies

1- Paphiopedilum adductum

2- Paphiopedilum glanduliferum

3- Paphiopedilum kolopakingii

4- Paphiopedilum philippinenwse

5- Paphiopedilum randsii

6- Paphiopedilum rothschildianum

7- Paphiopedilum sanderianum

8- Paphiopedilum stonei

9- Paphiopedilum supardii

Fotos: José Santos

Gostou deste artigo? Subscreva o nosso canal no Youtube e siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest.

Leia também: Paphiodelium, uma orquídea de climas quentes – parte 2

Poderá Também Gostar