Tarefas da Semana

Tarefas da semana: 6 a 12 de junho

No dia 6 semeie ou plante as plantas de folha

Beldroega

A beldroega (Portulaca oleracea), é uma planta praticamente infestante, encontrada em muitos quintais ou terrenos baldios. É muito resistente à secura e calor, daí ser tão fácil cultivá-la em sítios difíceis, embora cresça mais se tiver maior disponibilidade de humidade.

É conveniente cultivá-las em pleno sol e crescerão com pouco vigor em solos pobres, mas é essencial que o substrato seja poroso e drene bem, para nunca encharcar. Se quiser transplantar, tente levá-la com bastante terra agarrada às raízes para facilitar a mudança agora nos meses já mais quentes. Com os cuidados necessários, é bastante rápido e simples, pois enraízam no novo local com relativa facilidade.

Se já está a pensar na sementeira da próxima estação, então basta encontrar uma planta com vagens de sementes maduras no final do caule, depois de florir agora no início do verão. Reúna-as, deixe secar ao sol e em sítio arejado, e guarde num recipiente fechado para semear no próximo inverno e primavera.

Para semeá-las agora, arranje uma quantidade adequada à área que deseja cultivar. Cave a terra e use um ancinho para aligeirar e alisar o solo, preparando assim a cama para as sementes. Às vezes é mais fácil misturar as sementes num bocado de areia ou até substrato seco, para assegurar que não as semeia com demasiada densidade.

Depois de lançadas as sementes, cubra com uma leve camada de substrato rico em matéria orgânica ou composto orgânico obtido a partir de restos vegetais e estrume animal bem curtido, mantenha humedecido com regas diárias e espere cerca de uma a duas semanas até começarem a germinar, dependendo da temperatura ambiente.

A colheita faz-se raminho a raminho, à medida que as plantas crescem junto ao chão, pelo terreno. Pode dar muitos fins a este produto, desde cru a cozinhado, a beldroega é rica em vitaminas e sais minerais, tendo propriedades anti-inflamatórias e analgésicas.

No dia 7, cuide das suas fruteiras

Figo-da-índia

A figueira-da-índia é um tipo de cacto nativo da América do Sul, América Central e regiões da zona sul da América do Norte. Embora prefiram climas desérticos, crescerão numa ampla variedade de solos, níveis de precipitação e humidade, e amplitudes térmicas.

As folhas (ou caules modificados) carnudas bem como o fruto são comestíveis, mas esta suculenta também é muito cultivada como planta ornamental porque tem lindas flores que variam de laranja a amarelo ou até branco. Para cultivar uma figueira-da-índia, pode escolher comprar uma planta estabelecida, germinar sementes do fruto ou propagar uma nova planta a partir de uma planta já existente.

Sendo a propagação uma via tão fácil, basta que encontre uma planta bem estabelecida e cortar ou destacar uma das almofadas verdes, sempre com cuidado para não se magoar nos pequenos e grandes espinhos que revestem a planta.

Prepare um vaso de jardim, encha o fundo desse vaso com algumas pedras ou argila expandida para garantir a drenagem. Encha o resto do vaso com solo arenoso ou argiloso, idealmente substrato de boa qualidade, que também permita uma boa drenagem.

Regue bem essa almofada que enterrou verticalmente no solo até metade do seu comprimento. Depois da primeira rega, molhe a planta apenas quando o solo parecer seco, cerca de uma ou duas vezes por semana no máximo.

Depois de crescida ao fim de poucos anos, e por vezes até no próprio ano em que começou a propagação, poderá colher alguns frutos desta planta. Se quiser comer as folhas tenras, corte-os com uma faca afiada no final da manhã ou início da tarde pois é quando o teor de ácido é mais reduzido, removendo-as logo acima da inserção no caule.

Colha as frutas torcendo-as e puxando. Pode saber-se quando a fruta está madura se os espinhos caírem dos sulcos na fruta. Certifique-se que usa luvas para proteger as mãos ao colher o figo-da-índia.

Nos dias 8, 9 e 10, plante espécies de raiz

Curcuma

A variedade de curcuma cultivada para consumo pertence à espécie Curcuma longa, uma planta perene herbácea rizomatosa pertencente à família do gengibre Zingiberaceae, e é nativa do Sudeste Asiático.

Para a cultivar, corte ou divida os seus rizomas em pedaços com 5 a 7 centímetros. Recomenda-se deixá-los por um ou dois dias à temperatura ambiente e depois também poderá mergulhá-los por uma ou duas horas em água morna, antes de plantar, visto que isso incentivará a germinação.

Escolha um vaso com pelo menos 30 cm de profundidade e largura. Este volume dará espaço mais do que suficiente para eles crescerem bem. Encha o vaso até ao cimo, com substrato universal ou especial para plantas verdes.

Coloque os seus rizomas com os gomos voltados para cima e cubra-os com cerca de dois centímetros de solo. Tenha cuidado para não plantá-los muito profundamente ou será mais difícil que cheguem à superfície e produzam bem.

Depois de plantados, dê-lhes uma boa quantidade de água, regularmente, assegurando a boa drenagem. Fertilize mensalmente nos meses de primavera, verão e outono. Dependendo das condições de crescimento, a curcuma em crescimento estará pronta para a colheita quando vir as folhas e o caule ficarem acastanhados e secarem.

Esta fase deverá acontecer cerca de 7 a 10 meses após plantação das raízes. Tire a sua curcuma do vaso, agite o solo das raízes e corte os caules alguns centímetros acima dos rizomas. Pode consumir como preferir, não se esquecendo de guardar alguns rizomas para plantar novamente no ano seguinte!

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar