Jardim

Uma planta, um substrato

Este é um dos aspetos mais importantes para o bom desenvolvimento de uma planta. Se escolhermos o substrato certo para a planta, é sucesso garantido, mas, claro está, não devemos descurar os restantes aspetos de manutenção, como a rega, fertilização, limpeza, podas, etc.

Encontramos uma grande variedade de substratos, desde os universais aos mais específicos, como os substratos para roseiras, suculentas, aromáticas, hortícolas, orquídeas, isto é, para cada planta, podemos sempre encontrar o substrato mais indicado.

Um bom substrato é constituído por turfa com a estrutura adequada para a cultura, fibra de coco e perlite. A composição da turfa vai proporcionar nutrientes ao solo, fazendo com que a planta lance as suas raízes de forma adequada. A perlite contribui para a duração e, além disso, proporciona o arejamento necessário ao meio de cultivo. O substrato com fibra de coco é de maior duração, uma vez que o coco se degrada menos do que a turfa e desta forma proporciona maior estabilidade física. As fibras de coco evitam também a compactação e, portanto, facilitam uma drenagem correta.

EM SUBSTRATOS DE USO PROFISSIONAL HABITUALMENTE USADOS PARA FINS DE PRODUÇÃO, ONDE SE REQUER UMA MAIOR ESTABILIDADE AO LONGO DO CICLO DA PLANTA, UTILIZAM-SE AS SEGUINTES MATÉRIAS-PRIMAS PRINCIPAIS EM PERCENTAGENS E ESTRUTURAS VARIÁVEIS:

TURFA

A turfa é um material vegetal decomposto por um processo extremamente lento e normalmente é retirada de turfeiras do Norte da Europa que demoraram milhões de anos a formar-se. Existem diferentes “turfas” comummente designadas como turfa negra, turfa loira, etc. A turfa naturalmente tem pH ácido, densidade baixa, retém muita água facilmente utilizável (sendo esta a sua característica mais importante e que determina a sua ampla utilização na constituição de substratos para a propagação de plantas) e tem uma boa capacidade de arejamento.

PERLITE

A perlite é um material de origem vulcânica do tipo dos silicatos, retirado das lavas. Tem pH neutro, uma capacidade de troca de catiões (CTC) muito baixa e não contém nutrientes. É muito utilizada para aumentar a drenagem e o arejamento dos substratos, a sua porosidade é muito elevada. Melhora a estabilidade física dos substratos. É uma matéria-prima que encarece substancialmente o substrato.

FIBRA DE COCO

A fibra de coco possui textura variada, conforme a espessura das partículas, o que influencia as relações de equilíbrio do conteúdo de ar e água, que são essenciais para o cultivo das plantas. Possui elevada porosidade, boa capacidade de retenção de água facilmente disponível para as raízes (tem capacidade para reter água em 70-80% da sua porosidade total). Tem uma facilidade para reidratar superior à turfa. Tem-se vindo a aumentar a sua utilização, visto ser mais sustentável que a turfa e apresentar-se como um excelente meio de cultivo.

OUTRAS MATÉRIAS-PRIMAS GERALMENTE ACRESCENTADAS AOS SUBSTRATOS FOCADOS MAIS NO MERCADO DE HOBBY:

CASCAS DE PINHO

É um material substancialmente mais barato, mas que tem de ser triturado, crivado e composto (4 a 6 meses) porque a casca fresca possui taninos, resinas, fenóis, terpenos e outros compostos que podem ser fitotóxicos. A casca retém pouca água e contribui para uma boa drenagem do substrato, possui elevada CTC, e um valor de pH baixo a neutro.

COMPOSTOS:

Os produtos resultantes da compostagem têm sido frequentemente experimentados como componentes de misturas com turfa e cascas de pinho, designadamente para a produção de substratos para utilização em vasos. Isto causa instabilidade do substrato e pode por isso provocar problemas como elevados valores de condutividade elétrica, de pH e de metais pesados, baixa porosidade e grandes variações nas propriedades físico-químicas destes materiais.

Podemos compreender quando se trata de substratos de uso profissional, para produção e exploração, utiliza-se substratos com as matérias-primas turfa, fibra de coco e perlite. Apesar de se tratar de um produto bastante mais caro, permite uma estrutura e uma constituição rica em nutrientes mais duradoira e sustentável para o ambiente.

Quando estamos perante pequenos espaços com vasos ou floreiras e podemos investir mais no substrato, proponho que apresente esta constituição para que possa ter um melhor desenvolvimento de planta e maior durabilidade de qualidade de solo. Existem substratos para desde o primeiro estado da planta e sementeira até ao seu estado adulto.

SEMENTEIRA E PROPAGAÇÃO:

Precisam de um substrato de estrutura fina, com baixa salinidade, proporcionando, assim, uma boa capacidade de retenção de água e humidade constante para que as sementes se desenvolvam com sucesso.

TIPO DE PLANTA E USO:

Há uma grande variedade de substratos com várias estruturas, pH, com constituição de turfa, fibra e perlite distintas, que podem ser ajustadas à especificidade da planta.

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar