Plantas

6 truques para cultivar plantas em vaso com sucesso

Muitas vezes, são pequenos cuidados e tarefas que contribuem de forma decisiva para o sucesso das plantas que temos em casa, na varanda ou no terraço. Aqui ficam algumas sugestões que podem ser úteis e fazer toda a diferença.

1- Escolher a planta certa para o local certo

Devemos conhecer as plantas que compramos, qual o seu ciclo de vida (se são anuais, vivazes ou perenes), se funcionam bem em vaso, se aguentam sol, se preferem sombra, qual o período e duração da floração. Quanto mais informações tivermos, maior será o sucesso no seu cultivo. Devemos começar por plantas resistentes e adaptadas às nossas condições de exposição solar, luz, vento, etc.

2- Mudar as plantas de vaso

Quantas vezes deixamos as plantas no vaso em que as comprámos meses a fio? Muitas vezes, as plantas estão no limite da sua capacidade de crescimento no vaso em que se encontram, necessitando ser mudadas por precisarem de substrato adequando para se desenvolverem. A planta requer espaço para crescer e desenvolver o seu sistema radicular, o que permite que se alimente em condições e tenha um crescimento saudável. O ideal é comprarmos o substrato e o recipiente adequados quando compramos a planta. O recipiente escolhido deve ser maior que aquele onde a planta está, mas com mais 2-3 cm de diâmetro ou comprimento. No prazo máximo de 10 dias, devemos mudar a planta.

3- Escolher o substrato certo

As diferentes plantas têm necessidades de substrato diferentes, há plantas que se desenvolvem em terras ácidas, outras que necessitam de matéria orgânica e outras que requerem substratos mais pobres. Para escolhermos o substrato adequado, devemos conhecer o tipo de planta que temos e utilizar um substrato adequado (há substratos para hortícolas, catos e suculentas, aromáticas, plantas acidófilas, plantas de flor, frutos, etc.). Atenção: não coloque no mesmo vaso plantas com necessidades muito diferentes de substrato.

4- Regar de forma correta

Em vaso ou floreira, as plantas precisam de mais água do que em terreno livre, pois os seus sistemas radiculares são mais pequenos e é aí que a planta acumula água. Está provado que rega a mais é a sua maior causa de morte – as plantas requerem água e também ar perto das raízes; se existir água em excesso, morrem por asfixia radicular. Deve regar só se o solo estiver seco, verificando com um pau até à zona radicular, pois é aí que a planta necessita de água. Fungos, folhas mais claras ou amareladas pode ser excesso de água, devendo-se deixar de regar uns dias e, em caso extremo, mudar de vaso com novo substrato e drenagem assegurada.

5- Drenar os vasos e as floreiras

A falta de drenagem mata muitas plantas, até porque se não há drenagem eficiente qualquer água em excesso se torna muito mais grave, pois não tem por onde sair. Muitas vezes, os vasos não têm orifício de drenagem, acumulando água, o que provoca asfixia radicular. Deve furar o vaso e colocar no fundo uma camada drenante em argila expandida (leca) e, por cima, uma manta geotêxtil. Esta operação confere uma melhor drenagem e uma maior longevidade ao substrato, que desta forma não é arrastado com tanta facilidade.

6- Prevenir as pragas e as doenças

Pelo menos de 15 em 15 dias, observe com atenção as plantas; evitará assim muitos problemas. Remova as folhas e as flores secas e com manchas, pois podem contribuir para o aparecimento de pragas e doenças. Quando retirar as flores secas, retire também os caules onde estão as flores e onde não vai haver mais floração.

Muitas vezes, as plantas aparentemente doentes têm apenas carências nutritivas, falta ou excesso de água, calor a mais ou a menos, luz a mais ou a menos, humidade a mais ou a menos. Com o tempo, vai começar a conhecer as suas plantas e a saber como lidar com elas. Grande parte das pragas e doenças podem ser evitadas se as plantas estiverem nas condições ideais de luz e temperatura, se estiverem “bem alimentadas” com substrato e fertilizações adequadas e se tiverem a quantidade de água de que necessitam.

 Fotos: Thinkstock e Pixabay

Gostou deste artigo? Siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest e subscreva o nosso canal no Youtube.

Poderá Também Gostar