Plantas

Hibiscos, flores espetaculares até ao outono

O género Hibiscus compreende cerca de 200 arbustos, tanto de folha perene como caduca, elegantes, de porte arredondado e muito decorativos. As folhas podem ser constituídas por três lóbulos mais ou menos marcados e apresentam margens onduladas. Mas o hisbisco destaca-se sobretudo pelas flores. A partir de meados do verão e quase até à chegada da dos primeiros frios, cobre-se de grandes inflorescências de cores vivas (vermelho, rosa, malva ou branco), que exibem no centro um apertado conjunto estames amarelados ou avermelhados.

Muitas vezes, esses centros são realçados graças às manchas coloridas que adornam a base das pétalas. Apesar de as flores serem de curta duração, formam-se em grande número continuamente durante meses. As duas espécies com mais flores são a rosa síria (H. siriacus), caducifólia e originária da Ásia oriental e que pode alcançar 3 metros de altura, com flores até 12 cm de diâmetro e a rosa chinesa (H. rosa-sinensis), da Ásia tropical, arbusto de folha perene e grandes flores, muito presente no litoral mediterrânico.

Em locais protegidos

Os hibiscos, sobretudo a rosa chinesa, necessitam de locais com Sol e cantinhos protegidos, por isso dão-se muito bem nas regiões mediterrânicas. Mas isso não quer dizer que não os possa cultivar noutros locais, embora proporcionando sempre locais abrigados, por exemplo ao lado de um muro.

No que diz respeito ao terreno, não são muito exigentes, embora gostem de terra encharcada. Praticamente não necessitam de adubo, conformam-se com pouca rega mas necessitam de poda anual, todas as primaveras, para eliminar os ramos secos. No jardim, pode plantar em agrupamentos, junto de outros arbustos, ou em conjuntos com variedades distintas. Pode formar uma sebe florida e são ideais como fundo para uma bordadura mista ou para decorar entradas.

Guia de cuidados

Localização

Sol pleno. O hibisco necessita de primaveras e verões quentes para que a floração se desenvolva. Por isso, deve proporcionar-lhe um local com muito Sol. Trata-se de uma planta ideal para o clima mediterrânico. Nas regiões frias, é aconselhável cultivar ao abrigo de um muro.

O melhor terreno

Com boa drenagem. Embora não muito exigente, é preferível colocar o hibisco em solo seco, com drenagem eficaz, poroso e de natureza calcária ou mais pobre. Plante na primavera para que possa desfrutar das flores no início do verão.

Rega

Regular. Aguenta bem a seca mas para manter a turgência das flores e evitar quedas de botões florais é aconselhável regar bem sem encharcar durante os primeiros períodos de crescimento e floração. Ao contrário, no inverno, não é necessário deitar água. Em vaso, a rega deve ser superior.

Poda

Na primavera. Tanto a rosa chinesa (H. rosa-sinensis) como a síria (H. Syriacus), necessitam de poda anual para controlar o crescimento e potenciar a floração. No caso da rosa chinesa, no final do inverno corte um terço do comprimento dos ramos. Na rosa síria, faça esta operação no início da primavera.

Multiplicação

Estacas ou sementes. O método mais fácil para multiplicar é fazendo estacas a partir do final da primavera e no verão. Unte as extremidades em hormonas de enraizamento e coloque em composto misturado com areia grossa. Cubra com plástico ou coloque a planta num propagador situado em local bem iluminado. Outra opção é semear no interior, no início da primavera.

Em casa

Os hibiscos crescem bem em recipientes e embora não seja fácil, pode tentar cultivar dentro de casa. Siga estes conselhos: em dependência bem iluminada e fresca, sem aquecimento; quando está em flor não mova os vasos e proporcione-lhes bastante humidade, tanto no composto, mediante rega, como no ar, borrifando as folhas; no verão, leve-os para a sombra.

Prevenção e cura de doenças

Pulgões? Aumente a humidade

Nos ambientes quentes e secos o pulgão multiplica-se rapidamente. Os sintomas são: folhas encarquilhadas e pegajosas devido ao melaço que segregam. Em certas ocasiões, pontos negros. A planta perede turgência ao ficar sem seiva. SOLUÇÃO: nos dias mais quentes, aumente a hidratação e pulverize com água temperada. Mas nunca a Sol pleno. Se de qualquer modo surgirem pulgões, pode combatê-los com inseticida ou calda de urtigas.

Manchas brancas? Regue na base

Embora prefiram os solos secos, quando estão em plena floração tem que regar bem os hibiscos, evitando molhar as folhas, porque poderia surgir oídio. É um fungo que cobre a folhagem com um pó semelhante à cinza. A planta pode murchar, trata-se da mosca branca. SOLUÇÃO: deite água sobre o solo mas não use a aspersão. Areje o terreno para evitar que se formem charcos e em caso de ataque forte aplique fungicida rico em enxofre.

Verrugas castanhas? Borrife com álcool

Se as folhas dos seus hibiscos estão cheias de carapaças brancas ou castanhas, como verrugas, trata-se da presença de cochonilhas. Um inseto que chupa a seiva, provocando o debilitamneto da planta. SOLUÇÃO: dissolva uma colher de sabão num pouco de água, junte um litro de água e uma colher de álcool. Borrife a planta com este preparado ou unte os insetos com um pincel. Se o ataque for forte, recorra a inseticida específico.

Moscas brancas? Melhore a ventilação

Se os hibiscos estão em galerias ou estufas, é natural que sejam atacados pela mosca branca, inseto que surge em locais quentes e húmidos. Instala-se nas costas das folhas, provocando descoloração. Se detectar uma nuvem de insetos brancos, não restam dúvidas. SOLUÇÃO: mantenha ventilação adequada. Algumas plantas podem ajudar a afugentar a mosca branca, como o cravo-túnico. Em caso de ataque forte, recorra a inseticidas.

Se as flores caírem? Não os mova

Os hibiscos plantados em recipiente odeiam ser trasladados durante a floração. Nem sequer gostam de ser rodados. As flores podem cair. SOLUÇÃO: tente não mover os vasos, nem sequer tocar-lhes, sobretudo quando estão em flor. No caso dos vasos que se encontram em casa, convém fazer a trasladação na primavera para o terraço mas com cuidado extremo. O melhor é movê-los quando ainda não têm botões florais.

O que gostam:

  • Sol pleno.
  • Locais quentes.
  • Solos bem pobres.
  • Poda anual.
  • Rega regular durante  a floração e o crescimento.
  • Em casa, ambientes húmidos.

O que não gostam:

  •  Sombra.
  • Frio.
  • Encharcamentos.
  • Terrenos muito adubados.
  • No interior, os locais com aquecimento e sem luz.
  • Ser movida quando em flor.

Fotos: GettyImages

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar