Hortícolas

Hortícola do mês: Brócolo

Uma hortícola cultivada pelas sua “cabeça” que começou a estar na moda a partir dos anos 70.

Brócolo

Hortícola do mês: Brócolo (Brassica oleracea)

60 kcal/ 100 g rico em fibras, provitamina A, vitamina C, cálcio e ferro

A couve-brócolo (Brassica oleracea) é uma espécie hortícola bienal (5-8 meses) que surgiu na região do Mediterrâneo Oriental (Líbano, Síria, etc.), que pertence à família botânica das Brassicaceae, também designada por Cruciferae.

Os brócolos são cultivados pela sua inflorescência (“cabeça”), que é bastante comercializada tanto fresca como congelada. No entanto, esta cultura apenas se popularizou e passou a ser produzida em Portugal a partir dos anos 70 do século XX, predominantemente na região do Ribatejo e Oeste.

A inflorescência da couve-brócolo pode ser roxa, verde ou branca. A couve-brócolo é uma excelente fonte de vitamina A, B1, B2 e C, assim como de cálcio, ferro, magnésio, potássio e fibra. Também já foi reconhecido o papel anticancerígeno desta hortícola.

Ficha técnica

Altura: 30-40 centímetros.

Época de plantação/sementeira: Em alfobre, seja feita em fevereiro–março ou setembro-outubro.

Local de cultivo aconselhado: A temperatura ótima está compreendida entre 13 °C e 20 °C. Adapta-se a vários tipos de solo, porém prefere solos ricos em matéria orgânica, textura média a ligeira, bem drenados e pH compreendido entre 6,5 e 7,5. É uma cultura moderadamente sensível à salinidade e à acidez do solo.

Manutenção: É exigente em água, principalmente na fase intermédia e final do ciclo cultural, pelo que a rega deverá ser regular e abundante durante essas duas fases em particular. Deve aplicar-se estrume de ovelha e vaca bem decomposto, assim como composto caseiro feito com resíduos sólidos domésticos, também bem decomposto.

Condições ótimas de cultivo

A couve-brócolo é uma cultura adaptada a climas temperados. Possui tolerância à geada e necessita de mais de 12 horas de luz para a sua floração. A temperatura ótima de crescimento para a produção de brócolos de qualidade está compreendida entre 13°C e 20 °C.

Adapta-se a vários tipos de solo, porém prefere solos ricos em matéria orgânica, textura média a ligeira, bem drenados e pH compreendido entre 6,5 e 7,5. É uma cultura moderadamente sensível à salinidade e à acidez do solo.

Sementeira e/ou plantação

O brócolo pode ser semeado ou plantado a partir de transplantação. Recomenda-se que a sementeira em alfobre seja feita em fevereiro-março ou setembro-outubro. Depois de obter plantas com cerca de 10-15 cm de comprimento, 6-7 semanas após a sementeira, podem ser plantadas em camalhões com 1-1,50 m de largura. Antes da instalação da cultura, o terreno deve sofrer uma lavoura ligeira para a destruição de torrões e espécies infestantes.

Rotações e consociações favoráveis

Depois de colher a cultura, não se recomenda que se volte a instalar no terreno nos quatro a cinco anos seguintes. A cultura da couve-brócolo adapta-se favoravelmente a terrenos em que o estrume aplicado ainda não se encontre totalmente decomposto, pelo que é possível iniciar um esquema de rotação de culturas com esta espécie.

O esquema de rotação incluindo a couve-brócolo pode ser feito com o cultivo de tomate, batata, entre outras Solanáceas e Cucurbitáceas (abóbora, pepino, curgete, etc.), que são bons precedentes do brócolo.

Consociações favoráveis: Acelga, alecrim, alface, alfazema, batata, cebola, cenoura, espargos, espinafre, funcho, hortelã, salsa e tomilho.

Brócolo

Cuidados culturais

A cultura do brócolo é exigente em água, principalmente na fase intermédia e final do ciclo cultural, pelo que a rega deverá ser regular e abundante durante essas duas fases em particular. A rega poderá ser feita por um sistema de gota a gota ou por aspersão.

A couve-brócolo é uma cultura exigente em fertilidade do solo, pelo que essa necessidade poderá ser colmatada através de aplicação de estrume de ovelha e vaca bem decomposto, assim como composto caseiro feito com resíduos sólidos domésticos, também bem decomposto. A prática da adubação verde poderá ser feita com o cultivo prévio de azevém, luzerna e/ou favarola.

Colheita e conservação

As inflorescências terminais da couve-brócolo deverão ser colhidas quando atingirem o tamanho máximo e se apresentarem compactas, o que normalmente acontece três a quatro meses após a sementeira. Devido à irregularidade da maturação das inflorescências, a colheita é feita manualmente, com duas a quatro passagens pela parcela, cortando o caule que suporta a cabeça a 15-20 cm, dependendo do tamanho desta. Após isto, pode-se deixar desenvolver ramificações laterais de menor calibre. Depois da colheita, o resto da cultura poderá ser incorporada no solo.

Os brócolos podem ser armazenados durante duas a três semanas, num local de armazenamento que se encontre a 0 °C e 98% de humidade relativa.

 

Texto: Agrobio

 

Gostou deste artigo? Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar