Jardim

Jardins de baixo consumo de água

A escolha adequada de vegetação permite conciliar a baixa manutenção com o uso sustentável da água.

Atravessamos um período onde as alterações climáticas determinam a mudança dos ecossistemas; com a perda de biodiversidade e escassez de recursos, a Terra atingiu o seu limite.

Este fenómeno põe em evidência a necessidade de ponderar ações e é nesta ambiência que a utilização de plantas de baixo consumo de água se torna imprescindível na preservação e no equilíbrio da paisagem.

Uma alternativa viável para a concretização de espaços mais sustentáveis passa pela escolha de plantas adaptadas às particularidades climáticas da região do Mediterrâneo (invernos húmidos e verões secos): plantas com a capacidade de suportar a seca, uma vez estabelecidas, sendo uma excelente opção para esta tipologia de jardins e assim criar espaços belos e resilientes.

Razões para construir um jardim de baixo consumo de água

Num contexto de escassez de água, torna-se essencial a criação de jardins onde é possível associar-se diretamente a poupança de água à baixa manutenção.

Cada vez mais em projetos paisagísticos, a preferência passa por reduzir a utilização de plantas que necessitam de muita rega, não só pelos gastos hídricos, mas porque o suporte do equilíbrio se encontra na vegetação tolerante à falta de água e baixa manutenção.

Plantas para o espaço público e privado

Quantas vezes encontramos lugares com jardins encantadores pela sua atmosfera singular que advém das plantas, das cores, das texturas, da diversidade visual conjugada com várias espécies.

Pois bem, no espaço público, é utilizada vegetação de baixo consumo de água, que se adapta em jardins privados, terraços, varandas, dentro de vasos ou floreiras.

Consoante o pretendido para cada espaço, harmonize várias espécies e utilize plantas rasteiras como o Rosmarinus officinalis ‘prostratus’ e a Lantana montevidensis, podendo manter a humidade do solo e ainda conjugar com plantas que dão sombra como a Olea europaea ou a Ceratonia siliqua.

Plantas para espaços próximos do mar

Intervir em zonas próximas do mar requer especial atenção devido à presença de salinidade. Há plantas resistentes à salinidade enquanto outras são bastante suscetíveis, por isso é muito importante escolher as plantas adequadas para cada local, de acordo com as suas características.

A salinidade em vegetação não tolerante provoca na maioria das vezes a morte da planta. Pode optar por espécies com flor, cor e exuberância como é o caso do Echium candicans, o Metrosideros excelsa, e ainda pequenos apontamentos de cor-de-rosa provenientes da Armeria maritima.

Para sebes, selecione plantas como o Nerium oleander, Melaleuca alternifolia ou Myoporum laetum, criando espaços utéis de baixa manutenção e consumo de água, em prol de um desenvolvimento sustentável.

PLANTAS DE BAIXO CONSUMO DE ÁGUA E MANUTENÇÃO

UTILIZADAS NO ESPAÇO PÚBLICO E PRIVADO

Callistemon laevis

Ceratonia siliqua

Eleagnus ebbingei

Festuca spp.

Gaura lindheimeri

Teucrium fruticans

Juniperus spp.

Lantana montevidensis

Lavandula spp.

Olea europaea

Rosmarinus officinalis

Rosmarinus officinalis ‘prostratus’

Tulbaghia violacea

Westringia fruticosa

Resistentes à secura

Aloe arborescens

Armeria maritima

Cordyline autralis

Echium candicans

Limonium sinuatum

Melaleuca alternifolia

Metrosideros excelsa

Myoporum laetum

Nerium oleander

Phittosporum tobira

Phormium tenax

Tamarix africana

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar