Pragas e Doenças

Baratas outra vez? Livre-se delas!

Saiba quais são as principais características desta praga e como combatê-la.

Praga

Barata, Barata Americana (Periplaneta americana), Barata negra (Blatta orientalis), são as variedades mais encontradas na Europa.

Características

Pertence à classe dos insectos. O corpo é oval, achatado, com coloração castanho escuro. As baratas caracterizam-se por terem um “pronoto” (primeiro segmento do tórax) em forma de escudo e que cobre grande parte da cabeça. A maioria tem dois pares de asas. As peças bucais estão adaptadas para mastigar e a maioria tem as antenas longas e finas. Gostam de habitar locais mais quentes como armazéns, e as nossas casas. No entanto, as baratas decompõem lixo vegetal e animal, contribuindo para o equilíbrio ecológico.

Ciclo biológico

São animais noturnos, que andam por esgotos, lixeiras e no compostor das quintas ou do nosso jardim. Tem uma enorme capacidade de adaptação a praticamente todos os habitats do nosso planeta, sendo inclusivamente resistentes a muitos dos venenos, utilizados para os exterminar. As baratas passam por uma metamorfose incompleta e vão crescendo durante um ano. Algumas baratas podem viver mais de dois anos. A reprodução pode fazer-se por partenogénese (sem machos) ou sexuadamente. Cada fêmea pode produzir 30-40 ovos de uma vez e reproduzir 4 vezes num ano.

Plantas/animais mais sensíveis

As baratas consomem muitos dos nossos alimentos, na cozinha, armazém ou noutros locais onde possam estar.

Danos

As baratas são omnívoras, comem de tudo, desde alimentos de origem vegetal e animal, até células de cadáveres e resíduos biológicos do lixo ou esgotos. Ao consumirem os alimentos podem contaminá-los com microrganismos que podem transmitir doenças (fungos e bactérias como a Salmonela), para nós e para os animais domésticos. Os excrementos destes insectos podem provocar graves ataques de asma.

Combate biológico

Prevenção/aspetos agronómicos

Eliminar pequenos refúgios como sacos, restos de vegetais e camadas de “mulching” que se encontrem no solo; Drenar bem os terrenos para não ficarem húmidos; Aplicar armadilhas com placas autocolantes e iscos.

Pesticidas biológicos

Utilização de compostos com “Ryania”; sabões de “Tabasco” e hortelã-pimenta, também são bons repelentes desta praga.

Luta biológica

Musaranhos e alguns marsupiais, aves insectívoras (melros, estorninhos), aves de rapina, vespas (parasitismo), lagartos, cobras e escorpiões.

Foto: Pixabay

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar