Jardim

É tempo de nozes

A nogueira-comum (Juglans regia) é uma árvore de grande porte, nativa da Europa e da Ásia. Os seus frutos inserem-se, em conjunto com as castanhas, as avelãs e as amêndoas também comuns no nosso País, nos chamados frutos secos.

Originária da Ásia Central e do Cáucaso, a nogueira foi migrando em direção a ocidente, adaptando-se bem na península europeia. Em Portugal, ocorre naturalmente no interior centro e norte do País, principalmente nos distritos de Portalegre, Castelo Branco, Guarda, Viseu, Bragança, Vila Real, e Santarém.

Cultivo

O cultivo da nogueira-comum só será adequado para quem dispuser de um quintal ou horta espaçosos, visto que é uma árvore que atinge grande porte em adulta – as suas raízes poderosas podem afetar negativamente outras plantas nas imediações, uma vez que a nogueira absorve uma boa quantidade de nutrientes. Convém também guardar um espaço de 10-12 metros entre a nogueira e outras árvores ou edifícios.

A nogueira-comum prefere solos ligeiramente ácidos ou neutros, com pH entre 6,0 e 7,5. Muitas vezes, a nogueira é tratada como árvore bravia, não se acautelando os aspetos da fertilização e da proteção e prevenção fitossanitária.

A nogueira-comum apresenta uma espantosa longevidade. Muitas árvores chegam com facilidade aos 200 anos, sendo que alguns exemplares podem mesmo chegar aos 1000 anos!

Nesses casos, a produção é sempre afetada, bem como a qualidade das nozes. Os nutrientes de que a nogueira necessita são principalmente o azoto, o fósforo, o potássio e o magnésio.

Deve escolher-se com cuidado o local onde vamos plantar a nogueira, pois esta é uma planta que não gosta de ser transplantada. Em plantações comerciais há quem semeie a nogueira e faça mais tarde a enxertia com as variedades desejadas. Embora as nogueiras sejam autoférteis, é difícil a polinização, pelo que é conveniente a plantação de mais do que uma árvore, para polinização cruzada. Em Portugal, as variedades mais comuns são a Rego, a Arco, a Hartley, a Mayette, a Lara, a Parisienne, etc.

Plantação e adubação

Podemos fazer uma cova de 1 m x 1 m para deixar a terra bem mexida para o enraizamento da nogueira. Não convém usar muitos adubos enquanto a árvore é pequena, principalmente nos dois ou três primeiros anos após o plantio.

As principais pragas e doenças que afetam a nogueira no nosso País são a bacteriose, a antracnose e o bichado; é necessário estar atento para poder combater estas ameaças quando elas surgem.

Colheita

Para a colheita das nozes, podemos esperar que caiam, mas também se recorre ao varejo e, nas plantações, comerciais à vibração mecânica.

Saúde e nutrição

A noz é um fruto muito nutritivo e calórico, pelo que é necessário cuidado para não consumi-lo em excesso. As nozes são muito ricas em vitamina E, vitaminas do complexo B, fibras, proteínas, minerais e ómega-3. Têm várias vantagens para a saúde: ajudam a combater a diabetes, a fadiga e o cansaço físico, e o mau colesterol, ajudam a prevenir a arteriosclerose, doenças cardíacas, esterilidade e outros problemas sexuais, bem como problemas do sistema nervoso.

Outros usos para a noz e a nogueira-comum

Além do consumo em fresco das nozes, o fruto e outras partes da nogueira-comum têm utilidade para o ser humano. Da noz, pode ser extraído um óleo alimentar; a partir das folhas, pode ser feito chá, que é usado medicinalmente, podem ser feitas tintas e corantes a partir dela, e a sua madeira é uma das mais apreciadas e resistentes para trabalhos de marcenaria e outros trabalhos utilitários ou decorativos.

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar