Plantas

Humidade, vital para o crescimento.

Com o ar muito seco, a planta fica desidratada e mais susceptível a doenças e pragas.

No cultivo de orquídeas, quando falamos em humidade, não nos referimos à quantidade de água que damos à planta com a rega, mas sim na humidade do ar no local de cultivo. Na natureza, muitas espécies de orquídeas crescem em florestas tropicais húmidas com elevadas percentagens de humidade no atmosférica.

A quantidade de humidade no ar é importante tanto para o crescimento da planta, como também para uma boa floração. Se o ar for muito seco, a planta fica desidratada com muita facilidade, fica mais susceptível a doenças e pragas. E, muitas vezes, as flores têm dificuldade em abrir, acabando por secar.

Para que isto não aconteça, devemos borrifar as folhas e as flores das orquídeas nos dias mais quentes. Não se trata de regar a planta mas sim humidificar ligeiramente. Esta operação deve ser feita pela manhã e em pouca quantidade de modo a não haver acumulação excessiva de água nas folhas e em locais onde pode levar ao apodrecimento do vegetal.

Em espaços fechados, como uma estufa ou um terrário, para uma humidificação mais eficaz, podemos utilizar também um aparelho de chuva ou um gerador de nevoeiro (fogger). Num nível de cultura mais exigente, ao cultivarmos certas espécies mais dependentes de humidade, devemos ter um controlador de humidade ligado a um dos aparelhos que mencionei anteriormente e que vai ligar ou desligar consoante o valor da humidade pretendida. Nas nossas casas e para um pequeno número de plantas, basta a utilização de um borrifador manual. Ajustando para a saída de água mais fina, dar uma ligeira borrifadela nas folhas e botões fechados nos dias mais quentes e secos.

 

Das orquídeas mais comuns, os Paphiopedilum – os conhecidos ‘sapatinhos’ – são as que gostam de um pouco mais de humidade.

Estes são os únicos que até podem ter um pratinho debaixo dos vasos onde se coloca um pouco de água de modo a manter as raízes da planta sempre húmidas. Se tivermos alguns Paphiopedilum, ou mesmo outras espécies de orquídeas, podemos aumentar a humidade à sua volta usando um tabuleiro de plástico estanque e leca.

Colocam-se 2 cm de leca em toda a superfície do tabuleiro e depois água de modo a molhar a leca (cerca de 1,5cm de altura água). Sobre a leca, colocam-se pratos de plástico pequenos virados ao contrário e sobre os pratos, colocam-se os vasos. O fundo do vaso não deverá tocar na água. A evaporação da água do tabuleiro vai aumentar os níveis de humidade do ar sobre onde estão as plantas e assim facilitar o seu desenvolvimento. Este procedimento não substitui a rega pois estamos só a aumentar a percentagem de humidade no ar.

Devemos ter atenção para o facto de que, ao aumentarmos a humidade, podemos estar a aumentar a probabilidade do aparecimento de fungos. Assim, e para o evitar, devemos cultivar as plantas sempre em locais arejados ou colocar uma pequena ventoinha para aumentar a circulação de ar na área de cultivo.

Como medir a humidade?

Utiliza-se um higrómetro que pode ser encontrado com facilidade em bons centros de jardinagem ou lojas de animais. Podemos encontrar desde higrómetros analógicos e muito baratos a aparelhos com uma sonda e visor digital que nos dá uma contagem mais exacta.

Podemos comprar também aparelhos que têm em conjunto, no mesmo visor, um higrómetro e um termómetro. Nunca coloque a sua orquídea a uma humidade inferior a 50%.

Fotos: Thinkstock

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar