Plantas Ornamentais

Saiba mais sobre as bromélias

TILLANDSIA. Bromélia de Tillandz Elias Tillandz, botânico finlandês (1640-1693). Plantas aéreas. Não necessitam de solo para viver

Quando os europeus desembarcaram nas Américas, verificaram que os nativos utilizavam no seu dia a dia as Keratas na alimentação, extração de fibras, ornamentação e medicina tradicional. No princípio do século XVII, esta família botânica passou a designar-se bromélias (ou Bromeliáceas), em homenagem ao médico e botânico sueco Olof Ole Bromell (1639-1705).

A grande variedade de bromélias

Contam-se cerca de 50 géneros e perto de 3000 espécies, e é uma das classes botânicas mais recentes em termos de estudo e divulgação.

Várias bromélias em estufa

Condições de cultivo

São, em geral, plantas muito resistentes e adaptáveis. A maioria são epífitas, ou seja, vivem sobre árvores (não as parasitando). Outras são rupícolas (vivem sobre pedras) e as restantes são terrestres. Todas são originárias da América Central e do Sul.

Têm uma relação muito interessante com a água, sendo que umas a acumulam em cálices centrais formados pela disposição das folhas, e outras fazem a retenção de partículas de água e nutrientes através de microescamas (tricomas) que lhes revestem as folhas. A função principal das raízes não é a da alimentação da planta, mas, sim, a de fixação da planta ao local onde vive.

Apresentam vistosas e coloridas inflorescências, com numerosas flores de pequena dimensão e beleza singela, que vão abrindo espaçadamente ao longo do tempo.

Espécies mais comuns no comércio em Portugal

bromélias
AECHMEA. Bromélia lança. Do grego aichme (ponta de lança) Inflorescências eretas
BILLBERGIA Bromélia de Billberg Gustaf. Johann Billberg, botânico sueco (1772-1844). Inflorescências pendentes
GUZMANIA. Bromélia de Guzmán Anastacio. Guzmán, químico e botânico espanhol (século XIX). Apelidadas de rosa-da-selva pela forma das suas inflorescências
ANANÁS. Nome dado ao fruto desta planta, pelos Guaranis, índios do Brasil e Paraguai
NEOREGELIA. Bromélia de Von Regel. August Von Regel, botânico suíço (1815-1892). Planta ninho. No seu interior acumula-se água, de onde emergem as flores e onde desovam inúmeros insetos e batráquios
VRIESEA. Bromélia de Vriese. Willem H. de Vriese, botânico holandês (1806-1862). Inflorescências em forma de punhal

Fotos: José Frexial

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar