Plantas

Tudo sobre a alcaravia

Alcaravia

Uma planta usada na medicina e na culinária desde a Antiguidade, em Portugal dizia-se que era usada nas “poções mágicas contra a infidelidade”.

Nomes comuns: Alcarvia, alcaravia, acarovia, alquirévia, cherivia, cariz, cherruvia, cominho, carvia, cominho-arménio, cominho-dos-prados, cominho-romano, cumel.

Nome científico: Carum carvi

Origem: Europa central, Norte de África e Oeste Asiático.

Família: Apiáceas (Umbelíferas)

Características: Planta herbácea, que pode crescer até 60-150 cm de altura. A folha é alterna, bipenada de cor verde-escura e textura lisa. Ramifica-se e produz umbelas de pequenas flores brancas ou violeta. A raiz é pivotante, branca e fusiforme e pode considerar-se um tubérculo. Os frutos são pequenos, de cor castanha e nervuras claras, parecidos com os da erva-doce e odor bastante semelhante ao dos cominhos e tem 3-6 mm de diâmetro. As plantas secam durante o tempo frio, rebentam na primavera.

Factos históricos/curiosidades: Foram encontrados restos de sementes que datam do Mesolítico, sendo por isso usada, como especiaria ou erva medicinal há pelo menos 5000 anos. Também é mencionada no Papiro de Ebers, um manuscrito de ervas medicinais que data de 1500 a.C. Utilizada na cozinha e na medicina, era consumida pelos antigos romanos,egípcios (deixavam bolsas nos túmulos dos faraós), árabes e foram estes últimos que introduziram esta cultura na Península Ibérica. Os romanos utilizavam esta especiaria em legumes e peixes; os cozinheiros medievais, em sopas, pratos de feijão e couves. Também usavam pequenos sacos contendo esta erva, pois acreditavam que os protegia das “bruxas” e malfeitores.

Em Portugal, dizia-se que fazia parte das poções magicas contra a infidelidade. Os países nórdicos (Finlândia, Dinamarca, Noruega), Holanda e Alemanha, são as principais produtoras desta erva.

Ciclo biológico: Bienal ou anual (11-15 meses), morrem logo após a produção dos frutos.

Polinização/fecundação: As flores são autoférteis, aparecem na primavera e podem manter-se até ao final do verão.

Variedades mais cultivadas: “Mogador”, “Konigsberger”, “Neiderdeutsch” (da Alemanha), “Karzo” (Canadá). Existem algumas novas variedades que se semeiam na primavera e podem ser colhidas no final do verão.

Parte Comestível: Folha, fruto (sementes secas com óleo essencial) e raiz.

Condições Ambientais

Solo: Textura franca, silicoargilosa, argiloarenosa, frescos, húmidos, ricos em húmus, férteis, profundos, arejados, boa drenagem e boa retenção de água. pH ótimo 6,0-7,4.

Zona Climática: Temperado e húmido.

Temperaturas – Óptimas: 16-20 °C

Mín: 7 °C Max: 35 °C

Paragem do Desenvolvimento: 4 °C

Temperatura de germinação do solo: 10-15 °C.

Vernalização: Sete semanas de temperaturas entre os 5°-7 °C, são bons para a floração e desenvolvimento do fruto.

Exposição Solar: Sol pleno ou semisombra

Humidade relativa: Óptima 65%

Altitude: Até aos 2000 m

Fertilização

Adubação: Estrume de vaca e ovelha. Composto ou terra vegetal e adubo rico em algas.

Adubo verde: Mistura de azevém, centeio e favarola

Exigências nutritivas: 1:2:2 ou 1:1:1 (azoto:fósforo:potássio)

Técnicas de cultivo

Preparação do solo: Deve lavrar-se a 30 cm, a baixas velocidades, não multiplicando as passagens e trabalhando sempre com a terra seca. Passar uma grade para destorroar.

Data de plantação/sementeira: Entre março-abril ou setembro-outubro ao ar livre. Para acelerar o processo, deve humidificar as sementes.

Tipo de plantação/sementeira: Por semente, diretamente no terreno ou em vasos.

Pré-germinação: 4-6 dias em água e depois secar durante quatro horas para semear.

Transplantação: Quando tiver 13-15 cm

Faculdade germinativa (anos): 1 ano.

Dias para germinação: 15-20 dias (25 °C) .

Profundidade: 1-2 cm.

Compasso: 20-25 na linha x 35-60 cm entre as linhas.

Consociações: Ervilha, feijão, mostarda, espargo, espinafre, cebola, milho, pimento e tomate.

Rotação: Evitar as cenouras, aipos e rabanetes. Fazer rotações de três anos.

Amanhos: Sachas e monda de ervas e amontoas se a planta não se sustenta verticalmente.

Regas: Localizada (gota a gota), 2 litros/semana/m²

Entomologia e patologia vegetal

Pragas: Mosca-da-cenoura, nematodos, afídios e aranhiço vermelho, traças (Loxostege, Depressaria), escaravelhos (Opatrum).

Doenças: “Sclerotinia”, antracnose, Botrytis, Phomopsis, alternariose, septoriose.

Acidentes: Sensível a geadas, seca e ventos fortes.

As sementes são picantes e agridoces e na cozinha alemã são muito utilizadas para aromatizar bolos e pães

Colheita e utilização

Quando colher: As primeiras folhas, estão prontas para colher ao fim de 90 dias da sua emergência (quando a planta tiver 12-15 cm de altura). As raízes só são colhidas após o primeiro ano de vida (no outono). As sementes ou “frutos”, estão prontos quando, 65-75%, ficam castanhos; isto acontece em julho-agosto e apenas no 2.º ano de vida da planta. Realizar a colheita durante a noite ou de manhã cedo, quando o tempo está seco, e colocar as “umbelas” (cachos de sementes maduras) num saco de papel.

Produção: 780-1500 K/ha ou pode até chegar aos 2000 kg/ha

Condições de armazenamento: As umbelas (frutos) são secas ao sol ou num secador, durante alguns dias ( 7-15 ).

Composição: Óleo essencial ( 4-6%) com “carvona” ( 39-68%), “limoneno”( 26-50%). Contém proteínas, sais minerais, glúcidos e taninos.

Usos: As raízes (polpa branca) podem ser cozidas e comidas como as hortaliças (semelhantes aos nabos ou cenouras); as folhas podem servir para temperar saladas, batatas cozidas, salada de pimentão e sopas. As sementes ou frutos são picantes e agridoces e servem para aromatizar queijos, pães, saladas, verduras e muitos pratos salgados (especialmente da culinária alemã e austríaca), como pretzels , pães, sopas, massas, vegetais, carnes (especialmente porco e pato), (chucrute, caril), sobremesas e bolos.

O óleo é utilizado para bebidas alcoólicas como licores e aguardente, bem como para sabonetes, dentífricos, perfumes e elixires. O óleo essencial é utilizado, em agricultura biológica como inseticida, acaricida, fungicida e inibidor do abrolhamento. Os resíduos da destilação servem de alimento ao gado bovino.

Propriedades medicinais: Digestivo, alivia a flatulência, cólicas, constipações e estimula o apetite. Alguns estudos científicos registaram uma diminuição dos triglicéridos e do colesterol. O óleo essencial é antibacteriano e bom para tratamento de micoses, tumores na pele e limpeza de feridas, alivia problemas respiratórios (bronquite e tosse).

Conselho de especialista: Em grandes quantidades, a alcaravia pode ser tóxica, devido à “carvona” (dose máxima diária é de 1,5-5g de fruto sob a forma de infusão ou 3-5 gotas de óleo essencial). Reproduz-se facilmente, por isso será necessário mondar algumas e transplantar outras. Funciona bem como planta ornamental a embelezar jardins.

Fotos: Thinkstock e GettyImages

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar