Hortícolas e Frutícolas

Tangerinas, deliciosas e saudáveis

A tangerina (Citrus reticulata) é um citrino de cor laranja e sabor bastante doce e agradável, de formato achatado e cuja casca é relativamente fácil de tirar.

A tangerina é conhecida por muitos outros nomes em Portugal e no Brasil, como clementina, tangera, mexerica, laranja-cravo, mimosa, mandarina, poncã, entre outros. Terá sido trazida de Tânger para Portugal, daí o seu nome, embora noutros países da Europa a sua introdução tenha sido mais tardia.

A origem desta espécie é a Ásia, onde prefere climas húmidos subtropicais e tropicais. As tangerineiras e seus híbridos são bastante cultivados ao redor do mundo, embora bastante menos do que as laranjeiras.

Cultivo e colheita

Portugal tem um clima algo favorável ao cultivo da tangerina, sobretudo no Sul do País e ilha da Madeira. Noutras zonas, poderá haver microclimas propícios, em locais abrigados dos ventos e sem geadas, voltadas a Sul. A China, a Espanha e o Brasil são os principais produtores mundiais, com a China a liderar por grande margem, com cerca de metade da produção.

Existe um grande défice no mercado nacional em termos de abastecimento destes frutos e Espanha fornece quase toda a fruta em falta.

A tangerineira é uma árvore mais pequena do que a laranjeira, com espinhos nos ramos, que raramente ultrapassa os quatro metros.

São geralmente autoférteis e facilmente se danificam com o frio, mesmo os frutos, devido à sua casca fina. Climas com temperaturas entre os 20º e os 30 ºC são os ideias para cultivo das tangerinas.

As regas ajudam a aumentar a produção e, como todos os citrinos, a tangerineira necessita de muita água nos meses secos. O modo mais eficiente de fazer estas regas é com sistemas gota a gota.

Num quintal, duas ou três árvores podem satisfazer as necessidades de uma família média. Em pequenos pomares, as tangerineiras são muitas vezes cultivadas com outros citrinos como limoeiros ou laranjeiras.

Manutenção

A propagação das tangerineiras é quase sempre feita por enxertia ou estaquia para preservar as características das variedades. A propagação a partir de sementes produziria espécimenes muito incertos em termos de qualidade e quantidade de frutos e demoraria longo tempo até à primeira floração.

A poda dos citrinos deve ser feita pouco tempo depois da colheita, abrangendo os períodos mais frios do ano. Geralmente, os citrinos têm uma boa forma arredondada mesmo sem poda; as podas são muitas vezes ligeiras apenas para corrigir eventuais desvios ou então em árvores abandonadas para lhes restituir o vigor produtivo.

As tangerineiras gostam de solos férteis, frescos e bem drenados. O uso de compostos bem curtidos e estercos ajuda a melhorar a estrutura do solo e a fertilidade. As tangerineiras sofrem com as infestantes que disputam com elas o azoto, pelo que as mondas são essenciais. A plantação das tangerineiras pode ser efetuada entre março e maio, visto que a floração costuma ser tardia no nosso País.

Algumas das variedades de tangerineiras e seus híbridos mais cultivados são a ‘Okitsu’, a ‘Clementina fina’, a ‘Clementina nules’, a ‘Her- nandina’, a ‘Ortanique’ e a ‘Encore’.

Pragas e doenças

Relativamente a doenças, algumas das que afetam a tangerineira são a fumagina, o míldio e a gomose. Quanto a pragas, podemos apontar a psila dos citrinos, as cochonilhas, os ácaros e os afídios. Como sempre, a melhor política é prevenir para não se ter de se recorrer mais tarde a tratamentos químicos.

Propriedades e usos

Além de serem muito consumidas ao natural, as tangerinas são usadas em culinária, doçaria e cosmética, e surgem cada vez mais enlatadas, o que permite aumentar bastante o tempo de conservação.

A tangerina, além de ser rica em vitaminas A e C, também é rica em sais minerais como potássio, cálcio, fósforo e magnésio. É muito apreciada pelo seu sabor menos ácido do que aquele da laranja. Além de significar abundância na China, a sua casca é utilizada na medicina tradicional chinesa.

Ficha técnica da tangerina (Citrus Reticulata)

Origem: Ásia.

Altura: Geralmente até 4 metros.

Propagação: Geralmente, por estaquia ou enxertia de borbulho, mais incomum por semente.

Plantio: Final do inverno e início da primavera.

Solo: Solos profundos, férteis e bem drenados. Necessita de bastante humidade no solo.

Clima: Prefere clima subtropical e tropical. O Algarve é a região mais propícia.

Exposição: Sol, localizações abrigadas do vento.

Colheita: Final do outono e inverno.

Manutenção: Poda, mondas, sachas.

Fotos: Thinkstock 

Gostou deste artigo? Siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest e subscreva o nosso canal no Youtube.

Poderá Também Gostar