Aromáticas e Medicinais

Chás e infusões

A planta do chá (Camellia sinensis) é originária da China, da Coreia e do Japão. Encontrou nos Açores, mais propriamente na ilha de São Miguel, no século XIX, as condições propícias à produção.

Atualmente, esta ilha oferece uma paisagem singular com plantações de chás e é aqui que se encontram as duas únicas fábricas de chá da Europa: a Fábrica Gorreana e a Fábrica do Porto Formoso.

Apesar de ser proveniente da mesma espécie (Camellia sinensis), é na diferença dos seus processos de secagem e oxidação que se distinguem os cinco tipos de chá: branco, preto, verde, vermelho e oolong.

A principal característica que diferencia os chás das infusões é a presença de teína (a cafeína do chá). Ambos são, sem dúvida, muito apreciados para acompanhar refeições ou simplesmente como bebida quente ou fria.

A variedade de plantas utilizadas para infusões é muito diversificada, tal como tília, erva-príncipe, camomila, cidreira, lúcia-lima, jasmim, hortelã, gengibre, folha de oliveira, carqueja, canela, anis, rooibos e cascas de frutas como limão, laranja e romã.

Conheça as diferentes composições e aromas, faça a sua escolha e beba um chá ou infusão para dar as boas-vindas ao outono!

CAMELLIA SINENSIS (L.) KUNTZE

Família: Theaceae.

Nome comum: Planta-de-chá.

Origem: Nativa do SE da Ásia, cultivada em zonas tropicais e subtropicais.

Altura: 30-90 centímetros.

Condições de cultivo: Prefere solos ácidos e húmidos, desde que bem drenados.

Curiosidades: Esta espécie dá origem a uma das bebidas mais consumida em todo o mundo, o chá. Dependendo das condições de cultivo e preparo das suas folhas, pode dar origem a cinco tipos de chá: branco, preto, verde, vermelho e oolong.

ROSMARINUS OFFICINALIS L.

Família: Lamiaceae.

Nome comum: Alecrim.

Origem: Região mediterrânica.

Altura: Até 1,5 metros.

Condições de cultivo: Sol direto, em qualquer tipo de solo, desde que bem drenado. Regas moderadas.

Estrutura consumida: Folhas, que podem ser consumidas frescas ou secas. Para um sabor mais intenso, opte por cortar raminhos jovens, antes da sua floração.

ZINGIBER OFFICINALE ROSCOE

Família: Zingiberaceae.

Nome comum: Gengibre.

Origem: Java, Índia, China.

Altura: Até 1,5 metro.

Condições de cultivo: Meia-sombra, em solo fértil, solto e húmido.

Estrutura consumida: Rizoma, de sabor forte e picante, mas com um toque de limão.

CYMBOPOGON CITRATUS (DC.) STAPF

erva-príncipe

Família: Verbanaceae.

Nome comum: Erva-príncipe.

Origem: América do Sul. Altura: Até 1 metro.

Condições de cultivo: Condições de sol pleno. Como planta rústica que é, adapta-se bem aos diferentes tipos de solo e de clima.

Estrutura consumida: Folhas, com o seu agradável aroma limonado, com um ligeiro sabor a baunilha.

MENTHA X PIPERITA L.

poejo

Família: Lamiaceae.

Nome comum: Hortelã-pimenta.

Origem: Sul e centro da Europa.

Altura: 30-90 centímetros.

Condições de cultivo: Condições de sol e/ou meia-sombra, e regas frequentes, uma vez que não tolera secura.

Estrutura consumida: Folhas, com aroma e sabor a mentol. Podem ser consumidas frescas ou secas.

ALOYSIA CITRIODORA PALAU

Lúcia-lima

Família: Verbanaceae.

Nome comum: Lúcia-lima.

Origem: América do Sul.

Altura: 2-3 metros.

Condições de cultivo: Condições de sol pleno. Solos leves, secos ou pouco húmidos.

Estrutura consumida: Folhas muito aromáticas (limão) que podem ser consumidas frescas ou secas, não apenas em chás ou infusões, mas também em inúmeros pratos.

Gostou deste artigo? Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar