Hortícolas

Cultivar pequenos frutos

Não ter um jardim não é desculpa para não plantar em vaso os seus frutos favoritos.

Plantação em vasos

Plantação em vasos

Cultivar alguns alimentos passou a ser uma palavra e uma tarefa muito mais comum nos últimos anos. Além das aromáticas e algumas hortícolas, cultivar pequenos frutos em vaso, na varanda ou no terraço pode ser um desafio delicioso para começar já nesta estação.

O que precisa para cultivar frutos em vaso

Exposição solar: Todas as fruteiras precisam de uma boa exposição solar para que os seus frutos se desenvolvam e amadureçam em boas condições. Por isso é essencial que as zonas onde colocamos as fruteiras tenham pelo menos quatro a cinco horas de sol direto por dia.

Tamanho do vaso: Para que estas plantas se desenvolvam bem em vaso, é necessário que as plantemos num vaso alto, com pelo menos 50 cm de altura, para permitir que as suas raízes se desenvolvam em boas condições.

Drenagem: Todas as pequenas fruteiras para cultivar em vaso necessitam de estar muito bem drenadas; é uma condição essencial para que o seu sistema radicular se desenvolva em boas condições e para que as plantas cresçam e vinguem.

Substrato: Para satisfazer as necessidades em nutrientes das pequenas fruteiras, que são bastante exigentes em termos de matéria orgânica, devemos usar um substrato para hortícolas e fruteiras, que garanta tudo o que precisam para os primeiros tempos do seu desenvolvimento.  Aquando da sua plantação, podemos e devemos adicionar um adubo orgânico para que o substrato fique ainda mais enriquecido e para que as plantas não tenham carências e se desenvolvam em pleno. No caso dos chamados frutos vermelhos, o substrato deve ser ligeiramente ácido e pode usar-se um substrato específico para frutos vermelhos.

Maracujá-roxo

Maracujá-roxo

Que espécies plantar?

FEIJOA (Acca sellowiana)

Um arbusto ou pequena árvore fácil de cultivar em vaso (1-2 m de altura). Tem fruto com um sabor muito agradável entre a goiaba e o ananás, daí também ser conhecido como goiaba-serrana ou goiaba-ananás. Tem ainda a grande mais-valia de as flores serem comestíveis e verdadeiramente deliciosas.

Pode ser cultivado facilmente em grande parte do país, pois adapta-se bem a situações de calor e frio (embora não tolere as geadas). Se cultivarmos duas plantas, temos os benefícios da polinização cruzada e mais probabilidades de frutificarem Deve ser adubada com adubo orgânico na primavera, verão e outono, para garantir os nutrientes necessários ao seu bom desenvolvimento.

Pode ser ligeiramente podada à seguir à frutificação, o que vai fomentar o arejamento e florações futuras, mas não reage bem a podas drásticas.

MARACUJÁ-ROXO (Passiflora edulis)
Este é um arbusto trepador que para se desenvolver em boas condições precisa de muitas horas de sol direto, para garantir que os frutos crescem, amadurecem e ficam doces. Facilmente atinge 2-3 m de altura, tem uma floração roxo-azulada exuberante, o que o torna muito ornamental. Atenção que há maracujás apenas ornamentais (cujo fruto embora seja comestível, não tem um sabor nada agradável). Como é uma planta trepadeira, necessita de um tutor ou estrutura de suporte para se desenvolver em boas condições. Estes maracujás, ao contrário de muitas outras espécies e variedades, são autoférteis; cada planta produz frutos do seu pólen.

Os maracujás podem e devem ser podados para estimular o crescimento e a floração, mas a poda nunca deve exceder um terço do tamanho da planta.

Necessitam de substratos com muita matéria orgânica e de uma adubação regular rica em azoto e potássio, de preferência com adubo orgânico, nos meses em que estão em floração e frutificação. Requerem regas regulares nos meses mais quentes.

Morangos

Morangos

MORANGOS (Fragaria x annanassa)
Os morangueiros que cultivamos em casa são híbridos bem adaptados ao nosso clima. Gostam de zonas com sol e protegidas das geadas. Para termos a produção de frutos bem distribuída ao longo do ano, devemos optar por variedades remontantes (frutificação começa na primavera e prolonga-se até ao outono. Este é talvez o pequeno fruto mais fácil de cultivar em vaso ou floreira, pois, ao contrário dos outros, não precisa nem de muito espaço nem de muita altura de substrato, conseguimos que vingue numa floreira com apenas 0,3 m de altura). Os morangos são muito exigentes em nutrientes, pelo que devemos usar, aquando da plantação, um bom substrato para frutos vermelhos, e, mensalmente ou mesmo quinzenalmente durante o período de floração e frutificação, devemos adubar com um adubo específico para pequenos frutos ou para hortícolas.

Depois da frutificação, devemos cortar todos os ramos onde frutificou e os estolhos e podemos levantar a planta do vaso e tornar a replantá-la.

FRAMBOESAS (Rubus idaeus)

As framboesas são originárias da Europa e do norte da Ásia, onde se desenvolvem no estado selvagem em zonas de bosque húmido. Há variedades de framboesas encarnadas e amarelas; a framboeseira é um arbusto trepador que pode crescer até 2 m de altura. As plantas são autoférteis, e a colheita dos frutos é feita normalmente no verão (junho a setembro).

Devem ser adubadas mensalmente nos meses em que estão em floração e frutificação, aconselhando-se a utilização de um adubo orgânico de origem animal. Regar regularmente nas épocas de mais calor.

Devem ser podadas a seguir à frutificação, cortando pela base todos os ramos que frutificaram.

Amoras

Amoras

AMORAS (Rubus fruticans)

São pequenos arbustos espinhosos que podem chegar a 3 ou 4 m de altura e são autoférteis. Devem ter uma estrutura de apoio para se desenvolverem em boas condições. Frutificam uma única vez ao ano, os frutos costumam estar maduros (quando passam de encarnados a pretos) no final do verão.

Gostam de zonas com sol direto, mas necessitam de horas de frio para frutificar. Resistentes à secura, devem ser regadas nos meses de maior calor. Devem ser adubadas regularmente com adubo orgânico desde o final do inverno até ao final da frutificação.

Podem ser podadas a seguir à frutificação para melhorar o arejamento, a produção futura e controlar o crescimento.

UVA-ESPIM (Ribes uva-crispa)

Esta é uma espécie de groselha, que não é muito cultivada em Portugal, mas muito comum nos Países Baixos e na Inglaterra. É uma planta espinhosa muito resistente ao frio que pode atingir 1,5 m de altura e é autofértil. Gosta de zonas com sol direto para os frutos ficarem mais doces, mas para frutificar em boas condições necessita de horas de frio. Prefere solos argilosos e com alguma capacidade de retenção de água.

Para que os frutos se desenvolvam bem, necessita de uma adubação orgânica rica em potássio. Deve ser regada regularmente, pois prefere o substrato húmido, sem estar encharcado. Deve ser podada a seguir à frutificação, que é normalmente na primavera e verão; para aumentar o arejamento e a produção, devem eliminar-se os ramos mais velhos, pois a produção é maior nos ramos mais novos.

Uva-espim

Uva-espim

GROSELHA (Ribes rubrum)

Um arbusto resistente que cresce até 1,5 m de altura. Os frutos podem ser encarnados, pretos ou brancos, os encarnados são os mais ácidos. Gostam de zonas com bastante sol e substratos bem drenados, com pH neutro ou ligeiramente ácido. São resistentes ao frio, mas não toleram geadas. Para frutificarem em boas condições, necessitam de uma adubação, de preferência orgânica e rica em potássio.

A poda é essencial para o seu desenvolvimento – no caso da groselheira-preta, imprescindível mesmo, uma vez que ela só frutifica nos ramos novos. A poda, além de estimular a floração e frutificação, também elimina os ramos doentes e previne o aparecimento de míldio, uma vez que promove o arejamento.

Deve ser regada regularmente nos meses mais quentes.

MIRTILOS (Vaccinium myrtilus)

Um arbusto muito rústico que pode crescer até 2-3 m de altura e pode ser facilmente cultivado em vaso. Devemos plantar pelo menos dois exemplares, uma vez que a polinização é cruzada e só assim conseguem frutificar. Necessitam de algumas horas de sol direto por dia, mas também de 700 horas de temperaturas abaixo dos 10 oC durante o período de dormência. Preferem solos húmidos mas bem drenados, ricos em matéria orgânica e com um pH ligeiramente ácido. Necessitam de pelo menos uma fertilização anual orgânica, idealmente no final do inverno.

A poda é essencial para estimular a produção de flores e frutos, que é na primavera e verão.

Devem ser regados regularmente, uma vez que gostam do substrato sempre ligeiramente húmido.

Mirtilos

Mirtilos

ARANDOS VERMELHOS (Vaccinium oxycocus, Vaccinium macrocarpum)

Tal como os mirtilos, os arandos necessitam de pelo menos 700 horas de frio, no período de dormência, para florirem e frutificarem em boas condições. Normalmente frutificam no verão. É um arbusto que cresce 30-50 cm de altura e que no outono fica muito ornamental pois as folhas ficam avermelhadas.

Preferem solos muito húmidos, frescos, ácidos (pH 4-5) e ricos em matéria orgânica. Aguentam temperaturas muito baixas (até -30 oC). O solo deve estar sempre húmido e para tal aconselho a utilização de um mulching de casca de pinheiro, que também ajuda a manter o pH ácido do solo.

Deve fazer-se uma adubação orgânica na primavera e no outono. Agradecem uma poda ligeira no final da frutificação, para remoção dos ramos, velhos, secos e mal inseridos, cortando-se os ramos mais velhos pela base.

 

Texto: Teresa Chambel

 

Gostou deste artigo? Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.

Poderá Também Gostar