Jardins

E se as abelhas desaparecem?

A relevância das abelhas na Natureza e por que razão a hipótese da sua extinção seria uma catástrofe

As abelhas e outros polinizadores são fundamentais porque garantem a dieta alimentar e valorizam a biodiversidade.

Estima-se que 84 por cento das espécies vegetais e 76 por cento da produção alimentar na Europa dependem da polonização.

Com exceção de alimentos como o trigo, o arroz ou o milho, porque são polinizados pelo vento, quase todos os outros alimentos ricos em micronutrientes dependem das abelhas.

A abelha, além do seu papel fundamental na produção de mel, desempenha um papel crucial como polinizadora.

Mas atualmente esta espécie encontra-se em estado de ameaça, devido a inúmeras causas: desde o ataque mortífero da vespa-asiática, ácaros, bactérias, vírus e incêndios florestais, à poluição e à ingestão de pesticidas durante a sua tarefa de recolha de pólen e néctar.

Esta situação é agravada pela degradação de habitat natural, alterações climáticas, perda de biodiversidade vegetal, práticas agrícolas onde predomina a monocultura e a presença de espécies invasoras.

Para além disso, o progresso das cidades e a redução de áreas florestais, que têm como consequência a existência de menos flores… isto também constitui uma ameaça.

Leia mais: Plantas que evitam o declínio das abelhas

O que se pode fazer?

São várias as medidas que se devem implementar no sentido de atrair abelhas. Por exemplo, incentivar a minimização do uso de produtos químicos, promover a variedade de culturas (em detrimento de monoculturas que limitam a diversidade da alimentação das abelhas), e valorizar e conservar o ambiente natural.

Em jardins, parques e outras áreas verdes, deve-se assim prezar a elaboração de planos de plantação com um elenco florístico diversificado de forma a oferecer uma dieta rica e variada às abelhas, de preferência com espécies que lhes sejam atrativas e em que a época de floração ocorra em diferentes épocas do ano.

Gostou deste artigo?
Então subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.

Poderá Também Gostar