Jardins

Plantas ornamentais que multiplicarão as abelhas no seu jardim (Parte 2)

Porque queremos destacar plantas ornamentais que relevam e promovem o valor das abelhas nos nossos jardins, floreiras e varandas, fique com mais algumas espécies importantes para estes insetos.

CALLISTEMON SP. (limpa-garrafas)

O género Callistemon possui cerca de 30 espécies de árvores ou arbustos, uns endémicos da região temperada da Austrália e os outros da Nova Caledónia.

Os Callistemon formam arbustos eretos, de ramos arqueados. As suas folhas são alternas, alongadas e pontiagudas. Apresenta uma flor semelhante a um limpa-garrafas, de cor vermelha-viva, nos meses de verão e outono.

É um arbusto muito utilizado em sebes, isolado ou em maciços.

Família: Myrtaceae.

Altura: Depende da espécie; pode variar entre 1-5 metros.

Propagação: Por estaca ou por semente.

Época de plantação: Primavera.

Condições de cultivo: Preferem sol pleno. Adapta-se bem a qualquer tipo de solo, desde que bem drenado. Embora resistente à secura, deve ser regado nos meses mais quentes.

Manutenção e curiosidades: Arbusto rústico que não necessita de cuidados de manutenção especiais, apenas uma poda de limpeza das flores e extremidades dos ramos florais após a floração – esta operação irá estimular a floração da temporada seguinte.

O nome de género Callistemon vem do grego kallistos, que significa “muito bonito”, e do stêmôn, que designa o estame, em referência ao carácter ornamental deste órgão da planta.

ROSMARINUS OFFICINALIS L. (alecrim)

Pequeno arbusto perenifólio, originário da região mediterrânica e autóctone de Portugal, de folhas verdes-escuras, muito aromáticas, muitas vezes utilizadas na culinária para dar um toque especial a alguns pratos.

As suas bonitas flores, agrupadas em cimeiras axilares, surgem quase todo o ano, mas sobretudo entre os meses de janeiro e maio.

A cor das flores é geralmente azulada, podendo por vezes ter tons rosados ou brancos.

Família: Lamiaceae.

Altura: Até 1,5 m.

Propagação: Por estaca.

Época de plantação: Primavera-verão.

Condições de cultivo: Sol direto, em qualquer tipo de solo, desde que leve e bem drenado. Regas moderadas.

Manutenção e curiosidades: Praticamente não necessita de manutenção, não necessita de muita rega; o excesso de rega pode mesmo levar a que a planta se torne menos aromática e mais frágil. As podas são necessárias apenas para estimular o seu crescimento.

É uma espécie muito utilizada em jardins mediterrânicos. Além disso as suas folhas prestam-se a usos em perfumaria e em culinária.

As suas folhas podem ser consumidas frescas ou secas – para um sabor mais intenso, opte por cortar raminhos de alecrim jovens, antes da sua floração.

Leia mais: Plantas que evitam o declínio das abelhas

VAMOS RELEMBRAR CONCEITOS…

Polinização: transporte dos grãos de pólen desde as anteras, local onde são produzidos, até ao estigma, local onde são fecundados.

Polinização entomófila: polinização realizada por insetos, dos quais se destaca a abelha.

SABIA QUE…

é muito provável que a relação entre o homem e a abelha tenha tido início ainda antes do aparecimento do Homo sapiens (homem moderno)? Acredita-se que os hominídeos antecessores do Homo sapiens já fossem recoletores de mel.

a primeira representação conhecida da atividade apícola humana terá entre 10.000 e 15.000 anos e encontra-se em Espanha, na gruta Cueva de Araña. … a espécie mais melífera é a facélia (Phacelia tanacetifolia)? Porque as suas flores produzem néctar e pólen de altíssima qualidade e de forma abundante para as abelhas.

os produtos da colmeia – mel, própolis, geleia real, cera e apitoxina – são utilizados atualmente pela apiterapia? A apiterapia é uma medicina alternativa que utiliza os produtos derivados da abelha melífera.

Gostou deste artigo?
Então subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.

Poderá Também Gostar