Jardim

Jardineiros de outono

Pisco-de-peito-ruivo

Portugal goza de um clima muito agradável a que chamamos clima mediterrânico.

Este caracteriza-se por verões longos e secos e invernos frios e chuvosos. Apesar de ser um clima ameno, as baixas temperaturas e escassez de alimento no inverno levam muitas espécies animais a migrar ou a hibernar.

Viajantes de outono

O outono é uma estação do ano agitada, chegam viajantes do Norte da Europa como o pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula).

Esta ave prefere passar o inverno no Sul da Europa e Portugal é destino habitual. Também há os que partem para outras paragens mais a sul, como as andorinhas.

Além dos animais que migram, são muitos os que aproveitam o outono para recolher alimento e material para os ninhos onde vão passar o inverno a hibernar.

O jardim, integrado nas estações do ano, deverá ter na sua composição espécies que marquem esta estação estética e ecologicamente.

Devemos gozar o jardim pelas suas cores outonais e pela sua capacidade de interagir com o meio ambiente em que se insere.

O jardim pode ser transformado num oásis no qual várias espécies encontrarão condições para passar o inverno. Muitas destas espécies têm efeitos positivos para o homem, são organismos auxiliares.

Esta designação é muito usada para os insetos, mas algumas aves, mamíferos, anfíbios e répteis são também bastante importantes no controlo de pragas que afetam as plantas.

Neste artigo, vamos olhar para algumas atividades para preparar o jardim para atrair e manter a fauna auxiliar durante o inverno.

Chapim

Para as aves:

Plantação de sebes produtoras de bagas

Muitas espécies de aves insectívoras também se alimentam de bagas durante o inverno, quando os insetos são mais escassos, como o pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula) ou o melro (Turdus merula).

Para tal, podemos aproveitar o outono como boa época de plantação de sebes, para optar por espécies que produzem bagas como cotoneaster, pyracantha, espinheiro (Crataegus spp.), azevinho (Ilex aquifolium) e sabugueiro (Sambucus nigra).

A nossa sugestão é criar uma sebe mista com estas espécies de forma a que no mesmo local as aves possam encontrar diferentes bagas para se alimentar.

Material:

  • Pá ou enxada para cavar.
  • Plantas jovens de cotoneaster, pyracantha, espinheiro, azevinho, sabugueiro.
  • Composto.

O que fazer:

Escolher uma zona agradável do jardim para a instalação da sebe. Deverá ser agradável à vista e abrigada de ventos para que as aves possam alimentar-se tranquilamente.

Após a seleção do local, marque a disposição da sebe – para as aves é igual se esta for uma mancha ou uma linha – é mais importante a largura a que se deixam crescer as plantas, que deverão ter pelo menos 80 cm de espaçamento entre elas para que formem uma sebe compacta rapidamente sem, no entanto, comprometer o crescimento inicial.

Após a marcação, poderá passar à plantação, colocando algum composto na cova de plantação.

Esta sebe deverá produzir bagas no 2.º ano após a plantação e tornará o jardim mais atrativo para a fauna.

O que não fazer:

Não coloque alimento para as aves no seu jardim. Não é proibido, mas não é recomendável.

As aves podem habituar-se demasiado a fontes de alimento não naturais, o que pode comprometer a sua capacidade de procurar na Natureza.

Salamandra

Para os répteis e anfíbios:

Pilha de composto para hibernação

Répteis e anfíbios são importantes predadores que se alimentam de muitas espécies que constituem pragas nos jardins e hortas.

Estas animais, na sua maioria, hibernam, procurando locais favoráveis para passarem o inverno abrigados.

Em Portugal, são comuns em jardins anfíbios como o sapo-comum (Bufo bufo), a salamandra-de-fogo (Salamandra salamandra) e répteis como a lagartixa-do-mato (Psammodromus algirus) e a cobra-de-escada (Rhinechis scalaris).

A sugestão é a criação de uma pilha de composto como relva cortada e folhas secas para ajudar na criação de um local de hibernação destas espécies.

A relva, ao decompor-se, produz calor criando uma zona agradável para estes animais passarem o inverno

Material:

  • Pá ou enxada para cavar.
  • Aparas de relva acabada de cortar.
  • Folhas secas ou casca  de pinheiro.
  • Paus e troncos

O que fazer:

Comece por escolher uma zona do jardim que seja protegida de ventos do norte. Idealmente uma parede ou pedra grande virada a sul.

Após a seleção do local, marque um quadrado com cerca de 1 x 1 m e escave cerca de 20 a 30 cm no quadrado e guarde a terra retirada.

De seguida, preencha a cova com a relva cortada, deverá encher completamente. Tape a relva com uma boa camada de folhas ou casca de pinheiro (ou as duas misturadas).

Coloque alguns ramos ou paus por cima seguido de alguma da terra que guardou. Repita esta operação até acabar a terra e a estrutura ter um aspeto minimamente robusto.

No final, coloque os troncos maiores por cima para segurar a estrutura e protegê-la de animais domésticos como cães e gatos.

O que não fazer:

Não perturbe a pilha durante todo o inverno. Mexer na pilha pode fazer com que esta perca calor rapidamente e os animais aí escondidos podem baixar a sua temperatura demasiado rápido e morrer.

Ouriço-cacheiro

Para ouriço-cacheiro e mamíferos pequenos:

Caixa para hibernação

Os ouriços (Erinaceus europaeus) são grandes predadores de lesmas, caracóis e outras pragas.

Outros pequenos mamíferos úteis são, por exemplo,  a doninha (Mustela nivalis), que come muitos roedores, e os musaranhos que se alimentam de insetos em enormes quantidades.

Durante o inverno, estes animais beneficiam com um abrigo seco e quente onde possam refugiar-se. A nossa sugestão é a construção de uma caixa  de hibernação para este tipo de animais.

Material:

  • Pá ou enxada para cavar.
  • Caixa de madeira (gaveta velha) com dimensões aproximadas de 50 x 50 x 30 cm.
  • 4 peças de madeira com 15 x 15 cm.
  • Aparas de relva acabada de cortar.
  • Folhas secas ou casca de pinheiro.
  • Pedras grandes ou tijolos.
  • Paus e troncos.

O que fazer:

Comece por arranjar uma caixa de madeira sem fundo, como uma gaveta antiga, com medidas aproximadas de 50 x 50 x 30 cm.

Num dos lados, corte uma entrada de 15 x 15 cm. Monte um túnel de entrada com as quatro peças de 15 x 15 cm e fixe-o à entrada da caixa de hibernação.

Este túnel vai manter o ar quente no interior da caixa. Tal como no caso dos répteis e anfíbios, escolha uma zona do jardim que seja protegida de ventos do norte.

Após a seleção do local, marque um quadrado com cerca de 1 x 1 m, escave cerca de 20 a 30 cm no quadrado e guarde a terra retirada.

De seguida preencha com a relva cortada, idealmente deverá encher completamente o buraco. Tape a relva com uma boa camada de folhas ou casca de pinheiro (ou as duas misturadas).

Depois de cobrir com folhas, faça alguma pressão  e coloque a caixa por cima das folhas com a saída orientada para sul.

Coloque as pedras grandes ou tijolos em cima da caixa para que esta fique firme contra o solo.

Cubra com mais folhas secas. Coloque alguns ramos ou paus por cima seguido de alguma da terra que guardou. Repita esta operação até acabar a terra e a estrutura ter um aspeto minimamente robusto.

No final, coloque os troncos maiores para esconder a caixa.

O que não fazer:

Não deixe alimentos para estes animais na rua, não deixe leite para os ouriços nem ração de cão ou gato. Estes alimentos não são adequados a ouriços e podem causar problemas intestinais ou obesidade.

Deixe os animais caçarem as suas presas no seu jardim. Vai ver que terá razões para agradecer.

Foto: GettyImages

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar