Plantas e Flores

Uma planta, uma história: Dragoeiro

O dragoeiro é uma planta emblemática da Macaronésia e tem fama de viver muito tempo. Segundo o naturalista alemão Alexander von Humboldt (1769-1859), o famoso dragoeiro de Orotava, em Tenerife, derrubado por um tufão, em 1867, teria mais de 6000 anos. Era uma notável árvore, com 23 metros de altura e uma copa com 24 metros de perímetro. Na Madeira não há notícia de ter havido um dragoeiro tão velho e com tão grande porte. O maior exemplar madeirense conhecido existiu no sítio da Pontinha de Cima, em Machico e foi destruído por uma tempestade em 1843. Mesmo assim, quando pereceu, tinha quase 16 metros de altura.

Os dragoeiros só começam a ramificar após a primeira floração, que pode demorar entre dez e 20 anos. Têm porte arbóreo, mas o caule e os ramos não são lenhosos. A arroteia de terrenos para a agricultura e a extração do sangue de dragão contribuíram para a sua quase extinção no ambiente natural. No entanto, hoje podemos encontrar bonitos dragoeiros cultivados e o seu número tem vindo a aumentar.

O sangue de dragão

As incisões no caule provocam a libertação de seiva líquida e incolor, que, em contacto com o ar, solidifica e adquire a cor do sangue. Nos primeiros tempos do povoamento, a Madeira exportou sangue de dragão, muito apreciado na Europa pelas propriedades medicinais e também utilizado como corante para tingir tecidos e ingrediente no fabrico de verniz para violinos.

As folhas e as flores

O dragoeiro é uma árvore perenifólia de folhas ensiformes com 60 a 70 cm de comprimento, verdes-acinzentadas e coriáceas, que se dispõem em rosetas na extremidade dos ramos. As numerosas fl ores brancas organizam-se em vistosos rácimos, que podem ser apreciados entre junho e agosto.

Os frutos

Os frutos globosos ( 1-1,5 cm de diâmetro), carnudos e alaranjados quando maduros, começam a desenvolver-se em julho. O amadurecimento é demorado. Em junho, quando ocorre uma nova fl oração, muitos ainda se mantêm na árvore.

B.I.

Nome científico: Dracaena draco subsp. draco

Nome vulgar: Dragoeiro

Porte: Árvore

Família: Asparagaceae (Agavaceae)

Origem: Macaronésia (Madeira, Canárias, Açores e Cabo Verde)

Morada: Jardim do Campo da Barca, Jardim Princesa D.ª Amélia, Quinta das Cruzes, Núcleo de Dragoeiros das Neves

Fotos: Raimundo Quintal

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar