Hortícolas e Frutícolas

Tudo sobre a figueira

Figueira.

 

A figueira é uma das árvores de fruto mais rústicas, e que melhor se adaptam ao clima português, sobretudo aos nossos verões usualmente quentes e secos. Vemos figueiras a crescer espontaneamente nas zonas mais ermas e rochosas. Muita gente trata-as sem cuidados de maior, reduzindo as podas a um mínimo, só para controlar os ramos que começam a incomodar por qualquer motivo, e praticamente esquecendo a fertilização e as regas. É por isso comum encontrarmos figueiras com extensa ramagem, que nasce no tronco quase junto ao solo, e de porte muito grande, sendo necessário trepar à árvore para colher os figos.

Factos históricos

Introduzidos na Península Ibérica pelos árabes no século VIII d. C., os figos cultivados em Portugal são da espécie Ficus carica, mas existem muitas outras. O género ficus é muito extenso. É uma espécie que é cultivada na bacia mediterrânica desde há milénios, pois é uma fruta muito nutritiva, rica em açúcares e pode secar-se e conservar-se assim durante longo tempo.

Como cultivar

Para plantar a figueira é necessária uma cova funda, e com boa drenagem. Muitas vezes podemos colocar pedras, cacos de argila ou seixos no fundo da cova. Isto melhora a drenagem e evita doenças na raiz da figueira que podem conduzir à morte da árvore. No norte do país, em zonas com geadas fortes ou queda de neve, a figueira deve ser plantada num local abrigado e soalheiro, de preferência virado a sul. Nestas zonas é benéfico podar a figueira de modo a conduzi-la em palmeta como se faz muitas vezes com as macieiras. As geadas e os ventos fortes podem danificar os rebentos novos ou as raízes, comprometendo a produção da figueira. Nas zonas mais quentes, podemos conduzi-la em vaso.

Como vimos acima, muitas pessoas deixam as figueiras crescer livremente. No entanto, a poda é benéfica para controlar o crescimento vegetativo da planta e fomentar a produção de figos. Igualmente benéficas são a capinagem das ervas em torno da figueira, a adubação anual na primavera, de preferência com estrume bem curtido, e as regas nos meses em que o calor começa a fazer-se sentir.

Figos.

 

Propagação e produção

As figueiras são quase sempre propagadas por estaquia; as melhores épocas para o plantio são o início do outono e o início da primavera.

Há figueiras que produzem apenas uma apanha por ano (figueiras uníferas) e as que produzem duas apanhas por ano (figueiras bíferas). Os figos produzidos nos ramos do ano anterior chamam-se figos lampos e amadurecem geralmente entre junho e julho. Os figos produzidos nos ramos do ano chamam-se figos vindimos e amadurecem entre agosto e princípios de outubro, ou até à chegada das primeiras chuvas fortes de outono. Estas costumam destruir o que resta das colheitas de figos, quer derrubando-os precocemente, quer fazendo com que azedem e apodreçam muito rapidamente.

Cuidados de manutenção

A figueira é uma árvore bastante resistente a pragas e doenças, mas é afectada por algumas moscas, que podem destruir muita fruta, e por vezes pela antracnose. Contra esta costuma aplicar-se tratamentos preventivos com calda bordalesa no fim do inverno, ou mesmo fungicidas, nos casos mais graves. O figo é muito sensível e resiste em boas condições apenas poucas semanas após a colheita. Isso requer bastantes cuidados durante a sua apanha, e leva a que a maior parte da produção seja seca ou conservada em calda para consumo posterior.

Os figos em calda combinam bem com queijos e alguns doces de frutas. Nalguns figos o estado de maturação pode ser aferido por rasgões na pele do figo. As variedades mais comuns em Portugal são “Pingo-de-Mel”, “Torres Novas”, “São João”, “Bacorinho”, “Nossa Senhora”, “Bêbera Branca”, “Bêbera Preta” e “Pata-de-Cavalo” e encontram-se com facilidade à venda em hortos e centros de jardinagem. Com tratamento e atenção, uma figueira num quintal pode produzir uma colheita abundante, suficiente para uma família de dimensão média.

Fotos: Thinkstock

Gostou deste artigo? Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Poderá Também Gostar