Inspirações

Especial Selva Urbana: Plant Lover – Susana Caseiro

Sou filha e neta de agricultores, pratico agricultura biológica urbana há mais de 15 anos. Sou licenciada em Engenharia Biológica e estou ligada à Natureza e ao mundo da jardinagem desde sempre.

Sou mãe de quatro crianças e mudei o rumo da vida profissional quando estava grávida do meu 3.º filho. Sou autora do livro e e-Book “Jardim de Ervas Aromáticas”, um guia prático sobre o cultivo das ervas aromáticas e a sua utilização.

De que forma e quando é que nasceu esta paixão pelas plantas?

Não sei muito bem, mas recordo-me de gostar sempre da terra, jardins e plantas que crescem espontaneamente.

Lembro-me ainda de ser bem pequena e cuidar do jardim que a minha mãe sempre teve em vasos na sua varanda e pátio. Era eu que fazia sempre a manutenção mais exigente no final do inverno rigoroso.

Qual é a sensação de viver rodeada por centenas de plantas?

Viver rodeada por plantas dá-me uma sensação de maior proximidade com a mãe Natureza. É uma sensação inexplicável quando sei que posso sempre carregar energias nas plantas do meu jardim.

Criar um jardim e cultivar alimentos é tocar na vida. Aprendemos constantemente com a Natureza e desenvolvemos um profundo respeito por ela.

Sabe quantas plantas tem?

Não as tenho contadas, mas só no meu pequeno pátio planto um jardim comestível com mais de 150 plantas diferentes entre muitas variedades de ervas aromáticas, flores, uma grande variedade de hortícolas, alguns arbustos, frutos vermelhos e ainda algumas árvores de fruto.

Tenho ainda algumas plantas de interior, catos e suculentas (mais de 30 variedades).

Que benefícios sente desse contacto permanente com as plantas?

São muitas as vezes que percebo que só o facto de olhar e apreciar a sua beleza já me deixam com um sorriso. No caso da horta que cultivo no meu jardim, esses são mais do que muitos.

É verdade que cultivar legumes nas quatro estações dá algum trabalho, mas partilhar e comer o que cultivamos com a família é realmente maravilhoso. Acredito que aprender a dar valor ao mundo natural ajuda-nos a conhecer melhor o nosso verdadeiro “eu”.

Tem alguns rituais especiais com as suas plantas?

O meu ritual preferido é mesmo a observação ou contemplação das cores, texturas, aromas e beleza, tanta beleza.

Criar um jardim e cultivar alimentos é tocar na vida. Aprendemos com a natureza e desenvolvemos um profundo respeito por ela

Quantas horas por dia ou por semana lhes dedica?

Posso afirmar que dedico muito menos tempo do que gostaria de dedicar. As plantas de interior requerem menos atenção (de acordo com a minha experiência). No caso das plantas do meu jardim comestível, ocupam mais tempo, mas é variável com a época do ano.

Na primavera, verão e outono, devo tirar em média umas três a quatro horas semanais. No inverno, deve ser talvez metade do tempo, já que tudo é bem mais lento.

Quais as principais tarefas de manutenção que as plantas exigem?

Falando em termos gerais, diria que são estas duas: a rega e fertilização. Água a mais ou a menos causa stresse nas plantas (stresse hídrico) e ainda é uma das maiores dúvidas partilhada pela maioria dos jardineiros mais amadores.

Depois, sem uma nutrição equilibrada, vão ficar mais fracas e por isso mais suscetíveis a doenças e/ou pragas. Esta última é mais importante no cultivo de plantas da horta.

Qual o top 5 das suas plantas preferidas e porquê?

Não é fácil numerar, são tantas, mas cá vai a minha escolha, baseada nos sentidos que me despertam e na sua simbologia:

  1. Girassol: transmite-me a boa energia do sol, traz-me boas vibrações.
  2. Lavandas ou alfazemas: pelos seus efeitos medicinais. A cor, o aroma e texturas desta planta acalmam-me e trazem harmonia a qualquer espaço.
  3. Jasmim: é impossível não amar o perfume incomparável desta planta.
  4. Suculentas: a maioria tem capacidade de adaptação e resistência a condições tão diferentes.
  5. Lírio-da-paz: uma planta de interior comum e bem “discreta” que se adapta a todo o tipo de cómodos da casa.

Que conselho dá aos nossos leitores que pretendem tornar as suas casas mais verdes? Por onde devem começar para trazer a Natureza para dentro de casa?

Como em tudo na vida, mais vale começar devagar! A escolha do que vão começar a plantar é sempre pessoal. Não cultivem coentros se não gostam de coentros.

Cultivem manjericão se apreciam o seu aroma e sabor. Lembrei-me das ervas aromáticas, mas a teoria aplica-se a qualquer outro tipo de planta.

Quer deixar uma mensagem de esperança para quem está em casa nesta primavera diferente?

Que haja sempre a capacidade de filtrar e enquadrar a melhor perspetiva na realidade que estejamos a viver.

Estar mais tempo em casa nesta época tem a parte boa de nos deixar mais disponíveis para jardinar (para mim) ou fazer outras coisas que nos possam trazer satisfação.

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar