Inspirações

Plantas Vintage

Saiba quais são e como cuidar delas com sucesso em sua casa.

Toda a gente já se apercebeu que as plantas de interior voltaram a ser moda, e grande parte das plantas que hoje são trendy são aquelas que as nossas avós e mãe tinham em casa.

Hoje em dia estão na moda ambientes cheios de plantas de várias formas, tamanhos, cores e folhagens; viver no meio de uma selva urbana passou a ser uma moda saudável.

Podemos mesmo dizer que estas são plantas vintage, plantas que eram peças clássicas utilizadas nas décadas de 1960, 70, 80 e até 90 e que depois desapareceram e que voltaram para ficar!

MARANTAS OU CALATEIAS

As calateias ou marantas são as plantas de interior por excelência e das preferidas do momento, principalmente para quer a ter plantas em casa.

É impossível resistir à beleza e originalidade da sua folhagem. Há mais de 500 espécies diferentes com formas, cores e tonalidades diferentes.

Também lhes chamam rezadeiras ou prayer plants, pois as suas folhas, durante o dia, ficam abertas e direitas e, à noite, sobem e enrolam ligeiramente.

Condições de cultivo:

São plantas que gostam de luz, mas não de sol direto, as suas folhas queimam-se com muita facilidade quando expostas ao sol direto e perdem as suas cores maravilhosas.

Deve usar-se para o seu cultivo um substrato específico para plantas verdes, devem ser fertilizadas mensalmente na primavera e verão.

Não suportam a secura, mas também não aguentam água a mais, o ideal é deixar secar o substrato entre regas, mas não deixar secar demais, senão elas ressentem-se e ficam com as folhas pendentes, enroladas e descoradas. Devem remover-se regularmente as folhas e ramos secos.

Costela-de-adão

Esta planta existia em todas as casas nos anos 70 e 80, desapareceu, sendo agora a planta do momento; no Instagram existe o #monsteramonday: nesse dia, milhares de pessoas publicam fotografias das suas monstera.

O seu nome monstera deve-se às suas enormes folhas e deliciosa porque o fruto é comestível; no interior, normalmente não frutifica e só pode comer-se quando está maduro, pois em verde faz mal à saúde.

As folhas são lindas e brilhantes, parecem uma caixa torácica e algumas têm buracos, o que na Natureza serve para deixarem a água passar para os andares de baixo.

A variedade Monstera adansonni é mais pequena e as folhas parecem quase um queijo suíço tal a quantidade de buracos

Tenha atenção que as folhas e os caules são tóxicos, cuidado com as crianças e animais de estimação. As folhas devem ser limpas com um pano húmido, para que possam fotossintetizar em boas condições.

Condições de cultivo:

É uma trepadeira que precisa de uma estrutura de suporte para se apoiar, um tutor ou uma parede. Gosta de zonas sombrias e de substratos ricos em matéria orgânica. Pode ser cultivada em casa ou no exterior.

É resistente à secura, mas deve ser regada regularmente nos meses mais quentes e nos mais frios se as casas forem aquecidas.

Pode ser fertilizada na primavera e verão e podada na primavera se for preciso controlar o tamanho; na Natureza pode crescer até 25 metros.

CHIFRE-DE-VEADO (PLATYCERIUM BIFURCATUM)

Esta é uma planta epífita, que na Natureza se desenvolve agarrada aos troncos das árvores.

Tem dois tipos de folhas, umas mais arredondadas e mais finas, que nascem verdes, mas que com o tempo ficam castanhas e agarradas ao substrato. As outras, mais espessas, ficam maiores, recortadas e bifurcam como os chifres de veado.

Condições de cultivo:

São plantas muito fáceis de cultivar, devem usar-se vasos ou cestos suspensos bem drenados e um substrato específico para plantas epífitas (pode ser o que se usa para as orquídeas).

Necessita de regas regulares, pois o substrato deve estar sempre ligeiramente húmido. Pode também ser montada numa madeira ou cortiça, como se faz com as orquídeas.

FETO (NEPHROLEPIS SPP.)

Existem muitos fetos diferentes e todos eles são fáceis de cultivar e ficam muito bonitos em vasos ou cestos suspensos.

Podemos combinar vários, pois existem com a folhagem maior e menor e mais clara e mais escura, há variedades maiores e menores.

Condições de cultivo:

São plantas que gostam de zonas sem sol direto e com muita humidade. Em casa adaptam-se bem a casas de banho, o sítio ideal desde que sejam ventiladas e tenham luz natural.

Também são plantas muito fáceis de cultivar no exterior, em zonas húmidas e sombrias, normalmente sob as árvores. Não aguentam sol direto nem o ar muito seco, começam a ficar com as folhas secas e a cair.

Deve plantar os fetos em vasos que conservem a humidade, como os de plástico, pois é uma planta que necessita de ter o substrato sempre húmido. Requer regas regulares, mas sem nunca encharcar.

Precisa de um vaso bem drenado e de um substrato que mantenha humidade e rico em matéria orgânica; o ideal é usar um fertilizado e só fertilizar seis meses depois.

Em épocas de muito calor, pode pulverizar os seus fetos ou mesmo levá-los para a banheira e dar-lhes uma chuveirada, devendo-se deixar escorrer muito bem a seguir, para o substrato não ficar encharcado.

Pode podar ligeiramente anualmente no outono ou inverno.

CUIDADOS A TER COM AS PLANTAS DE INTERIOR

  • Quando as compra, deve mudá-las de vaso, para um vaso bem drenado e com substrato adequado.
  • Ao fim de dois ou três anos, devem ser mudadas para um vaso maior ou, se o vaso for muito grande, deve ser retirada uma parte do substrato e colocado novo.
  • Devem ser fertilizadas mensalmente na primavera e o verão. Nos meses mais frios, não vale a pena, pois as plantas estão em dormência e não precisam de alimento extra.
  • Devem limpar-se as folhas plantas de interior com um pano, para evitar que fiquem com pó e que depois possam ter dificuldade em fotossintetizar. Devem tirar-se as folhas e caules secos ou doentes.
  • Se o ar estiver muito seco, podemos pulverizar um pouco as folhas, mas sempre de manhã para que tenham tempo de secar durante o dia.

Gostou deste artigo?
Então leia a nossa Revista, subscreva o canal da Jardins no Youtube, e siga-nos no Facebook, Instagram e Pinterest.


Poderá Também Gostar