Plantas

Conheça a Roselha-grande

Esta planta maravilhosa anuncia de forma inequívoca a chegada da primavera; introduza-a no seu jardim.

As pascoinhas (Coronilla glauca) de que falámos no passado mês de março continuam a sua floração por grande parte do mês de abril. Porém, não são as únicas a garantir uma extensa e exuberante floração nos dois meses em que a primavera se nos oferece em todo o seu esplendor.

A roselha-grande (Cistus albidus)

Entre as inúmeras espécies herbáceas ou arbustivas que em abril e maio se concentram em florir para garantir a sua reprodução, destacamos este mês uma espécie arbustiva. Popularmente conhecida por roselha-grande, esta faz parte da família das cistáceas.

Características da roselha-grande

À semelhança das restantes espécies do mesmo género, as roselhas são um arbusto perfeitamente adaptado a solos pobres e dos que melhor suportam os nossos verões prolongados, o que faz delas uma opção segura para qualquer jardim que se queira com preocupações ecológicas. Adquire normalmente um porte harmonioso e compacto, podendo chegar aos dois metros de altura.

As suas folhas aveludadas são de cor verde-acinzentada, e as flores, justificando o nome de roselha-grande, podem chegar aos 5-6 centímetros. É um facto que as suas flores têm uma vida efémera – cerca de um dia-, mas a sua floração é tão abundante e prolongada que são várias as semanas em que podemos ver este arbusto coberto de flores. Essa característica, a par da cor verde-acinzentada das folhas – que na prática se mantém o ano todo, proporcionando bons contrastes com folhagens de tons mais verdes – são na nossa perspectiva as suas características mais notáveis e que fazem dela uma espécie incontornável a ter por perto!


Como semear

A germinação das suas sementes não apresenta qualquer dificuldade. Basta cobrir com substrato e regar. Com a temperatura certa, a rondar os 17-22 ºC., as primeiras plântulas emergem ao fim de sete a dez dias!

Na loja online das sementes de Portugal, em www.sementesdeportugal.pt, pode encontrar sementes de roselha-grande. Bem como de outras espécies emblemáticas da nossa flora autóctone com potencial ornamental e paisagístico.

Sabia que…

As cistáceas são uma família que agrega diversos géneros e espécies de plantas típicas da flora mediterrânica, que partilham uma característica curiosa e que está na base do seu nome. As suas sementes encontram-se em cápsulas globulares divididas em diversas “compartimentos”. Para o precursor da botânica moderna, Lineu (Carl Linnaeus 1707-1778), assemelhavam-se a cestos, isto é, em latim, cistus.

Surgiu assim a designação de Cistácea para esta família, ou como “aligeirado” para português, as cistáceas. Dos cinco géneros da família que existem em Portugal destacam-se dois: o género Cistus, que é o mais representativo; e o género Halimium que também possui espécies de elevado valor ornamental.

Em Portugal. esta espécie ocorre um pouco por todo o território, nomeadamente nos maciços calcários da Estremadura e do Algarve. Aqui pode-se observar com abundância em locais com boa exposição solar. Normalmente prefere solos calcários, mas não é requisito para que vingue e floresça. Adapta-se bem a outros tipos de solos desde que não sejam ácidos, encharcados ou excessivamente nutridos.

Gostou deste artigo? Subscreva o canal da Jardins no Youtube e siga-nos no Facebook e no Instagram.

 

Poderá Também Gostar